Carta da Terra

"Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro enfrenta, ao mesmo tempo, grandes perigos e grandes promessas. Para seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio da uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos somar forças para gerar uma sociedade sustentável global baseada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade da vida, e com as futuras gerações." (da CARTA DA TERRA)

Mexico's Small-Scale Farmers Gain Entry to Global Carbon Markets

When Mexico's Bosque Sustentable AC sold the first voluntary carbon credits from its Sierra Gorda Biosphere Reserve in 2006, the Verified Carbon Standard (VCS) didn't yet exist, and the Climate, Community & Biodiversity Alliance (CCBA) hadn't yet approved a single forestry project under its CCB Standard.

Since then, however, standards have become de rigueur, and buyers have grown leery of any project that doesn't conform to one. That leaves early movers like Sierra Gorda at risk of being left behind by the very markets they helped to create.

To avoid that trap -- and also to blaze a path for similar projects -- Sierra Gorda this month wrapped up three years of validation to become the first Mexican forest carbon project recognized under the VCS, which is the most widely-accepted standard among buyers for determining the amount of carbon storage that can be attributed to human action. The project also earned "Gold" validation under the CCB Standard, which focuses on benefits beyond carbon such as job creation and habitat conservation.

"Validation under these standards demonstrates the integrity of Sierra Gorda's offsets and the overall value of the efforts to restore ecosystems, preserve biodiversity, alleviate poverty and sequester carbon in the Reserve," said Timothy E. Wirth, president of the United Nations Foundation, which purchased the first tranche of offsets in 2006.

The validation is especially significant because Mexico is likely to be the first country encompassed for offsets under any US state or federal system, and because there is rapidly growing interest within Mexico in carbon offsets as part of its own climate commitments and from an increasingly active domestic voluntary market.

"We did this in part to 'ground' the global markets in local capacity by finding ways for small landowners to get certified," says Martha Isabel "Pati" Ruiz Corzo, general director of Grupo Ecológico Sierra Gorda IAP. "Our success is a step in the right direction, but there is a long way to go."

Small Farmers United
Ruiz founded Grupo Ecológico Sierra Gorda IAP in 1989 to promote conservation in Sierra Gorda. As a result of the organization's efforts, the Mexican government delineated the Sierra Gorda Biosphere Reserve in 1997, and the reserve is now part of the UNESCO World Network of Biosphere Reserves and the most ecosystem-diverse protected area in Mexico. It ranks second in the country in terms of overall biodiversity.

1997 was also the year the Kyoto Protocol was signed -- and, not coincidentally, the year that Ruiz first turned to carbon finance. Initially, she hoped the Protocol would make it possible for small-scale farmers to earn carbon credits for planting trees. She soon came to believe that the Kyoto process was too cumbersome and costly to support the kinds of projects that such landowners could deliver, and turned instead to the voluntary markets.

Officially dubbed "Carbon Sequestration in Communities of Extreme Poverty in the Sierra Gorda of Mexico," the project is expected to include a total of 289 small reforestations through 2013, some as small as a half-hectare, in 53 communities spread across mountains, valleys, and canyons, with a total of 305.7 hectares.

"These are the kind of people you have to bring into the market if this is to succeed," says Corzo. "Unfortunately, the Kyoto Protocol -- and even the voluntary market -- is geared to larger projects, and the result is that local people can't take advantage of the opportunity."

The Sierra Gorda also acts as a massive water filter for downstream areas and supports valuable biodiversity, so one year after selling her first tranche of carbon offsets Corzo decided to investigate the possibility of getting the project's existing highland reforestation efforts certified to CCB and expanding into other ecosystem services.

The Katoomba Incubator

In 2007, Corzo contacted Jacob Olander, Director of the Katoomba Incubator for advice.

A project of environmental non-profit Forest Trends (publisher of Ecosystem Marketplace), the Incubator supports carbon projects it believes can contribute to the body of knowledge available to local stakeholders -- which is also part of Corzo's mission.

"Reviewing Sierra Gorda's activities, we saw the key near-term opportunity was in enhancing the value of reforestation they already had going on -- very small-scale parcels with native pines in extremely poor upland communities -- through VCS and CCB certification," says Olander.

Changing the Game
Corzo initially balked at the proposal, in part because she believed -- and still believes -- that global standards are too bureaucratic and expensive to meet the needs of small-scale farmers. In the end, she took the plunge to keep up with the times and to nudge the standard in a direction more amenable to the kinds of people she believes need it most.

"We had been reading in the annual State of the Voluntary Carbon Markets reports how more and more buyers wanted VCS, and we had also been hearing that CCBA recommended combining its validation with validation from a carbon accounting standard," says David Ross, a longtime consultant to the Sierra Gorda project. "In the end, there were just more arguments in favor than against."

Replication -- Locally and Globally
Corzo says the real value will come when the project is replicated elsewhere -- something Sierra Gorda is able to achieve locally, but which she believes will remain difficult in the short term.

"We learned a lot, but it was really expensive learning, and it will take a while before this can be replicated using local capacity," she says. "Without the support of the Katoomba Group, for example, we wouldn't have been able to make it happen, and that means others won't be able to make it happen until local operators learn how to facilitate working with so many private landowners."

She believes that more pilot projects are needed before more such local projects can proliferate in the developing world under existing global standards, but adds that local governments can move the process along by developing their own protocols more suited to local conditions.

Sierra Gorda, for example is marketing a complete basket of offsets. Those certified under VCS and CCB are listed as premium credits that can be sold both internationally and domestically, but the basket also contains "solidarity" credits that follow more flexible guidelines and are designed to be sold domestically and are expected to be validated by the National Forestry Commission (CONAFOR).

How it Works
Though launched by Ecológico Sierra Gorda in 1997, the project has been formally managed by Bosque Sustentable since 2001. Bosque Sustentable monitors the reforestations to quantify the amount of carbon dioxide being captured as part of the natural process of tree growth. It then offers carbon offsets in national and international voluntary carbon markets.

Organizations, businesses and individuals who want to contribute to the fight against climate change can calculate the amount of global warming gases that they emit into the atmosphere as a result of their production processes or use of transportation and electricity. After reducing their emissions to the maximum extent possible, they can choose to offset their remaining emissions by making a donation to Bosque Sustentable, which in turn pays small farmers to plant and manage trees to capture a corresponding amount of carbon dioxide.

"The Bosque Sustentable project represents a forest carbon project of the highest quality," says Jeff Hayward, director of the Climate Program at Rainforest Alliance, which carried out the external validation. "It offers significant benefits to both local communities and biodiversity in addition to climate change mitigation through carbon sequestration in the growth of planted trees. This project will serve as a model for the development of future small-scale forest carbon projects in Mexico and internationally."

This article originally appeared on, and is reprinted with permission.

Empresa de biotecnologia vai produzir diesel de cana no Brasil

Guilherme Gorgulho - Inova Unicamp - 31/07/2011

Biodiesel de cana-de-açúcar
Interessada no crescimento do mercado de biocombustíveis e na indústria sucroenergética brasileira, a empresa de biotecnologia norte-americana LS9 está chegando ao Brasil aberta a oportunidades de negócios com sua tecnologia de produção de diesel a partir da cana-de-açúcar.

A companhia, sediada na Califórnia, anunciou em julho a criação da LS9 Brasil Biotecnologia, com um escritório em São Paulo, mas ainda planeja a construção de um laboratório de pesquisas e quer iniciar até 2014 a comercialização de seus produtos.

A estratégia consiste em encontrar parceiros para viabilizar a fabricação do biodiesel e de produtos bioquímicos a partir da abundante oferta de matéria-prima no País.

Fundada em 2005, a empresa vai inaugurar em agosto uma planta de demonstração na cidade de Okeechobee, na Flórida, que poderá ser expandida para escala industrial e estuda ainda a construção de uma planta no Brasil.

O plano de desenvolvimento da tecnologia da LS9 é baseado no potencial de seu portfólio no mercado de combustíveis e produtos químicos que substituam os derivados de petróleo e que sejam renováveis.

Testes do biodiesel
No mês passado, a empresa anunciou também uma parceria no Brasil com a fabricante de caminhões e ônibus MAN Latin America para testar o diesel em motores, tanto em bancada como em campo de provas.

O objetivo é analisar desempenho, emissões, consumo e durabilidade dos motores nos veículos da Volkswagen [a linha de caminhões Volkswagen foi adquirida pela MAN] movidos com o biocombustível. O produto da LS9 é um combustível avançado do tipo drop-in, ou seja, pode ser utilizado sem a necessidade de adaptações nos motores e não requer infraestrutura própria.

Sob o nome comercial de Ultra Clean, o biodiesel da LS9 é produzido pela fermentação de açúcares a partir da ação de uma cepa da bactéria Escherichia coli geneticamente modificada para gerar, principalmente, alcoóis graxos, ácidos graxos e ésteres.

"A tecnologia da LS9 é muito flexível em relação à matéria-prima, que são açúcares; não é necessariamente o caldo de cana, podem ser outras fontes de açúcar, inclusive estamos testando outras matérias-primas. Além disso, há a vantagem da flexibilidade de produção; enquanto a maioria das empresas de biotecnologia faz um produto, com a nossa tecnologia é possível fazer vários produtos", explicou Lucila de Avila, diretora geral da LS9 Brasil Biotecnologia, em entrevista a Inovação Unicamp.

A executiva, que está desde março na companhia norte-americana, considera que a tecnologia está "quase pronta para ser comercializada".

Empresa de pesquisadores
Com cerca de 100 funcionários, 60% deles pesquisadores, a empresa sediada em South San Francisco, na Califórnia, foi fundada por dois cientistas: Chris Somerville, professor de Botânica da Universidade de Stanford, e George Church, professor de Genética da Universidade de Harvard, com o financiamento dos fundos de capital de risco Flagship Ventures e Khosla Ventures. Atualmente, a Lightspeed Venture Partners também faz parte da companhia.

A empresa emprega pesquisadores nas áreas de biologia sintética, engenharia metabólica, microbiologia, enzimologia, bioinformática e engenharia química, entre outras. Atraída pela competitividade da cana brasileira para a produção de seu biocombustível, a start-up já deu início a parcerias com outros grupos interessados nos seus produtos renováveis.

Desde 2009, a LS9 tem uma parceria com a norte-americana Procter & Gamble para o desenvolvimento de químicos renováveis a partir da sua tecnologia patenteada. Em fevereiro deste ano, o acordo - cujos termos são mantidos em sigilo - foi ampliado para uma segunda etapa.

Substitutos renováveis
A diretora geral da LS9 explica que a P&G emprega muitos derivados petroquímicos e óleo de palma em seu portfólio, mas que as pressões do mercado pela sustentabilidade têm levado a multinacional a buscar substitutos renováveis.

Segundo ela, outro ponto importante é que a cadeia de produção do óleo de palma - baseada em países do sudeste da Ásia, como Malásia e Indonésia - tem provocado diversos impactos ambientais.

A LS9 conta também com uma parceria estratégica com a empresa de energia norte-americana Chevron para o desenvolvimento de hidrocarbonetos específicos. Além desses acordos, a LS9 está avaliando outros negócios para explorar sua tecnologia.

"Estamos em uma fase de estudar os mercados para avaliar oportunidades, mas a nossa tecnologia é essa: você 'diz' para a bactéria o que ela precisa produzir e muda o metabolismo dela por meio de enzimas." Segundo Lucila, com essa tecnologia é possível fazer substâncias com cadeias carbônicas que vão do C8 ao C18.

Escalonamento da produção
Inicialmente, a firma de biotecnologia contava apenas com a planta-piloto em South San Francisco para testar seu produto, com cana-de-açúcar plantada na Flórida, e terceirizava, por meio de contratos de industrialização, o escalonamento em outras fermentadoras.

Agora, a direção da LS9 está desenvolvendo o projeto e estudando a localização de um laboratório no Brasil para testar a matéria-prima local e fazer a demonstração da tecnologia. Lucila prevê que a decisão sobre a cidade que abrigará o laboratório possa ser tomada ainda neste ano, para que o investimento, de valor não divulgado, comece a ser feito.

Entre os municípios que estão sendo avaliados estão Campinas, Piracicaba, Paulínia e a capital paulista. Estão sendo estudadas também parcerias com universidades brasileiras, mas ainda não foram iniciados os contatos.

O Brasil está no foco principal da empresa e já estão sendo feitas negociações com produtores nacionais para alcançar a escala comercial, tanto na área de biodiesel quando no setor de produtos bioquímicos. Esses acordos poderão ser para o fornecimento de matéria-prima, para contratos de fornecimento de tecnologia ou até mesmo joint ventures.

"Não significa que a LS9 vai trabalhar somente com o Brasil, não existe nenhuma exclusividade, mas para nossa tecnologia é o país das maiores possibilidades", afirmou Lucila, ressaltando o interesse da firma também pela Ásia.

Planta piloto
A planta piloto, na Califórnia, tem capacidade de produção de mil litros e, a partir de agosto, a planta de demonstração, na Flórida, poderá produzir de 4.000 a 5.000 litros - capacidade essa que poderá ser ampliada para 140 mil litros até o final de 2011.

Essa unidade de Okeechobee ainda permitirá a instalação de outros tanques de fermentação para chegar aos 800 mil litros, caso a empresa decida ter uma planta industrial na América do Norte.

"O nosso biodiesel necessita apenas que se coloque o açúcar e a bactéria, para que ela produza o diesel. Depois esse diesel pode ser separado fisicamente com apenas uma centrifugação simples. Não é necessário, como no caso de outras empresas de biotecnologia, enviar o produto para ser submetido a algum tipo de processamento externo, como uma etapa de hidrogenação. O nosso é muito simples e fácil de ser produzido", conclui a diretora geral.

Versatilidade do micro-organismo
A mesma bactéria que produz o diesel também faz produtos químicos, mas o que muda na tecnologia é o metabolismo do micro-organismo, alterado por meio da engenharia genética. "Estamos estudando agora quais são os mercados que nos interessam. São vários: surfactantes, lubrificantes, cosméticos, detergentes e outros produtos de limpeza, tintas e entre outros. As possibilidades são inúmeras."

"Temos que aprofundar muito essa pesquisa e esse desenvolvimento. Nós estávamos nos concentrando em diesel e em alguns produtos químicos que estão sendo desenvolvidos com alguns parceiros específicos. Como essas pesquisas já estão adiantadas e nós já estamos chegando próximo ao rendimento ótimo para comercialização, então, começaremos a entrar nessas outras pesquisas."

Sem querer revelar o custo do diesel da LS9, Lucila ressaltou que "certamente" ele é mais competitivo que o biodiesel vegetal convencional, por causa da valorização da soja. Outra vantagem, destaca, são suas propriedades físicas: menor viscosidade a baixas temperaturas e maior durabilidade ou resistência à oxidação.

Em relação ao diesel de petróleo, a executiva afirma que, nos níveis atuais de preço do barril de óleo, tem "quase certeza" sobre a competitividade do seu produto. Além disso, ele teria menor teor de enxofre e mais qualidade de combustão que o derivado fóssil, segundo dados divulgados pela empresa.

Leque amplo para usinas de cana
Em meio às atuais incertezas de investimentos e volume de produção do setor sucroalcooleiro, a LS9 considera que parcerias com usineiros para a produção do diesel de cana possibilitariam uma interessante diversificação no portfólio que ajudaria a superar os problemas de rentabilidade do etanol.

"Os produtores de cana-de-açúcar hoje têm um horizonte de preço que é limitado ao preço da gasolina, que por sua vez é administrado pela Petrobrás. Nosso produto vai adicionar valor ao usineiro porque vai permitir ter um produto diferenciado, que tem outro ciclo e outra lucratividade e isso vai ser muito interessante", justifica Lucila.

Apesar de considerar a companhia como bem estruturada financeiramente para os "próximos anos", a diretora geral afirma que existe a possibilidade de entrada de novos investidores de venture capital na LS9 nessa fase de expansão para a produção comercial, sendo que está sendo estudada até mesmo a realização de uma oferta pública inicial de ações.

Cariocas começam a usar diesel de cana em transporte urbano

Durante um ano, veículos pesados serão utilizados para serem apresentados no Rio+20

por Globo Rural On-line

A chegada do diesel produzido a partir de cana-de-açúcar às principais metrópoles brasileiras, ainda de que forma experimental, é um sinal de que este tipo de combustível poderá conquistar uma importante fatia no transporte público. A avaliação foi feita pelo consultor de Emissões e Tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Alfred Szwarc, após o anúncio de mais um acordo de fornecimento de diesel de cana pela Amyris do Brasil para testes em uma frota de 20 ônibus urbanos na cidade do Rio de Janeiro.

Uma semana antes, a empresa já havia anunciado um acordo similar envolvendo 160 ônibus na cidade de São Paulo. “A iniciativa reduz as emissões e abre novas possibilidades no mercado de combustíveis para veículos pesados. O uso do novo diesel contribui para a redução dos gases causadores do efeito estufa e diminui a emissão de poluentes locais, especialmente o material particulado, resultando em uma opção energética mais limpa,” diz Szwarc.


No Rio de Janeiro, o diesel produzido a partir da cana será misturado ao diesel convencional, de petróleo, na proporção de 30%, para abastecer ônibus da marca Mercedes-Benz da Viação Saens Penna. A Federação de Transportes do Rio de Janeiro utilizará os testes na frota para avaliar o desempenho do motor e os benefícios ambientais do combustível renovável da Amyris. Os resultados serão apresentados na Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que será realizada na cidade em junho de 2012.

“O governo do Rio de Janeiro e as autoridades ligadas ao transporte público estão empenhados em dar o exemplo no combate às alterações climáticas. E a Amyris – juntamente com a Mercedes-Benz, Petrobrás, Michelin e BNDES – desempenham um papel na resposta às necessidades do Rio em relação ao transporte,” afirmou Paulo Diniz, presidente da Amyris Brasil. Segundo ele, a empresa está “pronta para atender à crescente demanda por combustíveis derivados de cana no Rio de Janeiro, cidade que se prepara para sediar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016″.

Liderança de São Paulo

Com o anúncio da Amyris na semana anterior, São Paulo se tornou a primeira cidade a utilizar o diesel de cana em sua frota em maior escala. Antes disso, em 2009 e 2010, testes com o combustível foram realizados na capital paulista em três ônibus urbanos. A iniciativa contribui para atender o Plano Diretor paulistano, que prevê a substituição de todo o combustível fóssil utilizado no transporte urbano por opções renováveis até 2018.

“A experiência bem sucedida da cidade de São Paulo começa a ser replicada em outras cidades, agora com o apelo das Olimpíadas e da Copa do Mundo. É muito importante que este processo avance em todo o Brasil,” conclui Szwarc

Fonte: Revista Globo Rural Online


Highlights of the report include:

The global stock of debt and equity grew by $11 trillion in 2010. The majority of this growth came from a rebound in global stock market capitalization, reflecting new equity issuance and stronger earnings expectations. Net new equity issuance in 2010 totaled $387 billion, and the majority of that issuance came from emerging market companies. Initial public offerings (IPOs) continued to migrate to emerging markets with 60 percent of IPO deal volume occurring on stock exchanges in China and other emerging markets.

The overall amount of global debt outstanding grew by $5 trillion in 2010, with global debt to GDP increasing from 218 percent in 2000 to 266 percent in 2010. But growth patterns varied. Government bonds outstanding rose by $4 trillion while other forms of debt had mixed growth. Bonds issued by financial institutions and securitized assets both declined, while corporate bonds and bank loans each grew.

On-balance sheet loans of financial institutions rose by $2.6 trillion in 2010 (or 5.9 percent). However, this global total hides key differences between regions. Since 2007, outstanding loan volumes in both Western Europe and the United States have been broadly flat with a decline in 2009 followed by a modest increase in 2010. In Japan, the stock of loans outstanding has been declining since 2000, reflecting deleveraging by the corporate sector. Lending in emerging markets has grown at 16 percent annually since 2000—and by 17.5 percent a year in China. Mainland China has added $1.2 trillion of net new lending in 2010 and other emerging markets $800 billion.

Cross-border capital flows grew in 2010 for the first time since 2007, reaching $4.4 trillion, but remain 60 percent below their 2007 peak. This reflects a dramatic reduction in inter-bank lending as well as less foreign direct investment and fewer purchases of debt securities by foreign investors. Contrary to conventional wisdom, this report finds that capital flows to developed countries—not those to emerging markets—are the most volatile.

The world's investors and companies continue to diversify their portfolios internationally. The stock of foreign investment assets grew to $96 trillion, hitting a historical high in 2010—a ten-fold increase since 1990. Of this, central banks had accumulated $8.7 trillion in foreign-exchange reserves by the end of 2010, a sizeable share of the world's financial stock invested in government bonds and other low-risk securities. Foreign direct investment assets reached a new high of $21 trillion, as did the stock of foreign debt securities held by institutional and private investors. Banks have once again expanded their international lending, albeit only by a little, with the stock of cross-border loans returning to its 2007 level at $31 trillion.

Cross-border investment is growing fastest outside the traditional centers of financial wealth. In 1999, the web of cross-border investments centered on the United States, which was partner to 50 percent of all outstanding international financial positions. By 2009, the US share of total cross-border invests had shrunk to 32 percent. This reflected both a surge in cross-border investments within Western Europe following the creation of the euro, and phenomenal growth in the size and complexity of linkages with emerging markets. Prior to the 2008 financial crisis, cross-border investments between Latin America, emerging Asia, and the Middle East were growing at 39 percent annually—roughly twice as fast as these regions' investments with developed countries.

Nova metodologia deve ajudar projetos de conservação

26/07/2011 - Fonte: Lead Comunicação

Quantificar a redução de emissões de gases do efeito estufa de iniciativas que reduzem o desmatamento não planejado vai ficar mais fácil e o mercado de carbono deverá se expandir em países na África, Ásia e América Latina

O desmatamento e a degradação florestal correspondem a aproximadamente 20% da emissão global de gases do efeito estufa – mais do que o setor de transporte do mundo inteiro, atrás apenas do setor de energia. Isto se deve principalmente pela expansão da agricultura, transformação de florestas em campos de pastagem, o desenvolvimento de obras de infraestrutura, e os efeitos destrutivos da exploração madeireira e incêndios florestais. Por isso é crucial focar em ações para a prevenção do desmatamento.

A nova metodologia – aprovada pelo Verified Carbon Standard (VCS) – permite aos projetos calcularem emissões evitadas por desmatamento tanto na borda (“de fronteira”) de grandes áreas, como por exemplo, em áreas agrícolas, quanto de maneira desigual (“mosaico”) dentro da floresta.

Um aspecto importante para finalizar a metodologia de “Desmatamento Não Planejado” foi a decisão de unir as duas metodologias que estavam sendo desenvolvidas separadamente pelo Banco Mundial e pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS), em conjunto com a Carbon Decisions International (CDI) e o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Idesam), com apoio financeiro da Marriott International. A fim de abordar uma série de cenários de desmatamento não planejado em países em desenvolvimento, esta nova metodologia preenche um nicho importante em comparação às demais metodologias de REDD.

“Unir a ‘metodologia de fronteira’ da FAS com a ‘metodologia de mosaico’ do Banco Mundial foi crucial para permitir o desenvolvimento de projetos de REDD tanto na Amazônia brasileira, como na África e na Indonésia”, comentou Virgílio Viana, superintendente-geral da FAS. “Esta metodologia quebrou o ‘paradigma norte-sul’, colocando o ‘sul’ como líder nas discussões de alto nível”.

“Esta metodologia irá finalmente gerar um arranjo para recompensar atividades inovadoras que reduzem o desmatamento pelo mundo enquanto promove a conservação de hábitats naturais, criando empregos sustentáveis e contribuindo para o bem-estar de comunidades locais”, disse Ellysar Baroudy, Fundo Biocarbon do Banco Mundial. “Um exemplo do impacto que esta metodologia terá em comunidades locais é o inovador mecanismo financeiro estabelecido no projeto Ankeniheny-Zahamena em Madagascar, para financiar a proteção de 370 mil hectares de reservas naturais através da venda de créditos de carbono pelo o Fundo BioCarbon do Banco Mundial”.

De acordo com Lucio Pedroni, da CDI, esta metodologia é um importante avanço para todo mundo que trabalha para reduzir o desmatamento em áreas tropicais por meio de sua abordagem robusta e amplamente aplicável. “Muitos desenvolvedores de projetos estavam esperando a aprovação desta metodologia, e finalmente eles poderão finalizar sua documentação e registrar seus projetos no VCS”, diz.

O secretário executivo do IDESAM, Mariano Cenamo, disse que a colaboração trouxe importantes benefícios para o diálogo sobre REDD. “A aprovação desta metodologia mostra que há um alto nível de conhecimento científico e técnico apoiando os projetos de REDD no mercado de carbono voluntário”, diz.

Jeff Hayward, Diretor do Rainforest Alliance, que junto com o Bureau Veritas Certification, foi responsável pelo processo de dupla-validação da metodologia, disse: “Esta é uma metodologia inovadora de alta qualidade que permitirá a projetos de REDD estabelecerem linha de base crível e monitorarem as reduções de emissão”.

Victor Salviati da FAS destacou a importância dessa metodologia para o Brasil por tudo que as áreas tropicais, em particular, sofrem devido ao desmatamento não planejado. Para Gabriel Ribenboim, também da FAS, a metodologia representa um importante marco em um longo processo que começou como o projeto de REDD no Juma em 2008, e servirá como exemplo para projetos similares na Amazônia.

Enquanto os VCS atualmente têm nove metodologias no escopo de Agricultura, Floresta e Uso do Solo (AFOLU, em Inglês) – incluindo três metodologias relacionadas a projetos de REDD – esta metodologia é mais amplamente aplicável, abrindo a porta para um crescente número de projetos de REDD como, por exemplo, da África, a qual oportunamente será considerada nas discussões de REDD+ nas negociações da Convenção-Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima na próxima Conferência das Partes a ser realizada em Durban, na África do Sul, em Dezembro de 2011.

REDD deve beneficiar populações pobres dependentes das florestas, diz pesquisador

Publicado em julho 25, 2011 por HC
Essan Yassim Mohammed diz que governos devem ir além da definição mais restrita de direitos de carbono, que beneficia apenas quem tem titulação definitiva das terras

Na próxima sexta-feira, 29, um grupo de trabalho vai apresentar à ministra Izabella Teixeira, do Meio Ambiente, um artigo que resume os primeiros passos para a concepção de uma política nacional de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD).

A REDD funciona por meio da remuneração de emissões evitadas de carbono. Dono da maior floresta tropical do planeta, cuja queima responde por 1,5% dos GEEs emitidos no mundo todo ano, o Brasil tem um imenso potencial para gerar receita com REDD, mas, dependendo da regulamentação adotada, pode também perpetuar injustiças ancestrais, sobretudo na Amazônia, onde as populações mais pobres dificilmente têm escrituras definitivas das terras que habitam.

Essan Yassim Mohammed, pesquisador do International Institute for Environment and Development (IIED), afirma que a REDD só pode dar certo no Brasil se for possível assegurar que essas populações se beneficiem do mecanismo. Em artigo recém-publicado com o advogado Christoph Schwarte (“A justiça do carbono: como alavancar benefícios do REDD + para os pobres”), ele defende que os “direitos sobre o carbono” (do inglês “carbon rights”) não tomem como base a titulação definitiva da terra, como vem sendo estudado, mas levem em consideração os direitos civis, sociais, econômios e culturais das populações que dependem da floresta para sua sobrevivência. Entrevista de Karina Ninni, em O Estado de S. Paulo.

Em entrevista exclusiva, ele falou ao Estado:
Estado – Vocês mencionam no artigo que transformar o carbono em uma nova forma de propriedade ou uma nova commmodity comercializável não é o suficiente para fazer o mecanismo funcionar para comunidades indígenas e tradicionais. No contexto brasileiro, que tipo de iniciativa, em termos de política pública, poderia ser implementada para fazer com que o mecanismo funcione para as comunidades mais pobres? Como podemos assegurar que a versão brasileira dos “direitos sobre o carbono” não fique limitada à ideia de posse de um pedaço de floresta?

Mohammed – Como mencionamos, a floresta que sequestra carbono provê um link contínuo para um conjunto mais amplo de direitos, incluindo uso e posse da terra, emprego, alojamento e direito de ir e vir. Por isso, uma compreensão mais ampla dos “carbon rights” também leva em consideração direitos civis, culturais, políticos, sociais e econômicos de todos aqueles que dependem da floresta. Em resumo, isso significa que os governos devem ir além da definição mais restrita de direitos de carbono, pela qual os benefícios são limitados àqueles que possuem legalmente as terras cobertas por matas, mas também assegurar que as comunidades dependentes das florestas (que não necessariamente têm títulos das terras que habitam) se beneficiem. Além disso, os governos deveriam reconhecer figuras como o direito de uso da terra, por exemplo, tradicional forma que muitas comunidades da floresta têm para regulamentar o uso de seus recursos.

Estado – O modelo que vem sendo discutido no Brasil inclui duas categorias de crédito: UREDDs (unidades genéricas) e CREDDs (unidades certificadas). Esta última só seria concedida mediante comprovação e registro da posse de terras que não sejam motivo de disputa. Mas a maioria das pessoas que vivem em comunidades no interior da Amazônia não têm títulos definitivos das terras que habitam, embora possam, ás vezes, comprovar posse. Você crê que uma definição mais ampla de “direitos sobre o carbono” poderia ajudar essas pessoas a garantir seu dierito à terra?

Mohammed – Absolutamente sim! O argumento todo que defendemos é que os créditos de carbono – ou os benefícios a eles associados – não deveriam se basear na titulação da terra. Para que o REDD funcione no Brasil – e em outros lugares do mundo – é urgente que se adote uma definição menos estreita de “carbon rights”, permitindo que comunidades rurais se beneficiem do esquema. Outra questão que se pode colocar é “por que é importante fazer o REDD funcionar para os pobres onde estes se beneficiam mais proporcionalmente?” A resposta é simples. Há duas razões: a primeira é que temos a obrigação moral de de assegurar que os pobres se beneficiem ou, ao menos, não sejam negativamente afetados; a segunda é que o esqueme precisa manter legitimidade internacional (investidores) e local (comunidades). Se a intervenção (REDD) é percebida como ilegítima, ela pode ser facilmente boicotada pelos investidores e as comunidades locais, o que teria como consequência uma vida curta para o mecanismo.

Estado – Há uma grande discussão sobre a aplicabilidade do mecanismo em áreas protegidas (unidades de conservação). No Brasil, temos diversas que poderiam ser candidatas a receber benefícios de REDD. Na maioria, essas áreas são cercadas por populações que têm um importante papel: frear os vetores do desmatamento. São as chamadas áreas tampão. Como podemos fazer com que essas comunidades se beneficiem do mecanismo?

Mohammed – Há alguns estudos dando conta de que as áreas protegidas contêm no mínimo 15% do carbono terrestre. Entretanto, não está claro ainda se o mecanismo de REDD é aplicável a áreas protegidas. Discute-se muito se as áreas protegidas atenderiam aos requisitos de adicionalidade, pois se a floresta já é protegida sob o regime estatal, por que alguém iria pagar para reduzir emissões provenientes desse local (que, teoricamente, não emite)? Mas há muitos que argumentam a favor da inclusão de áreas protegidas no esquema de REDD porque elas estocam uma quantidade significativa de carbono que, de outra forma, já teria sido emitido. Talvez cada país deva reconhecer os benefícios de estoque de carbono que as áreas protegidas prestam e assegurar que não haja impacto negativo sobre as pessoas que dependem dos bens e serviços ambientais. A REDD poderia compensar potencialmente as comuidades locais (dentro e nos arredores das áreas protegidas) e satisfazer o princípio do “do-no-harm” (não causar danos).

Estado – Vocês afirmam que será necessário estabelecer uma autoridade para regulamentar o comércio de créditos provenientes de projetos de REDD, algo como um banco central. E defendem que esse organismo deve ter poderes de intervir no mercado. Esta é uma opinião popular entre os acadêmicos que se debruçam sobre o tema? Você acredita que será uma ideia popular entre governos, ONGs, e proprietários de terras?

Mohammed – Na maioria dos mecanismos de salvaguarda utilizados em programas que instituem políticas e medidas de REDD em nível nacional (em oposição a iniciativas regionais), há uma exigência de avaliar os impactos sociais, antes e depois da implementação . A exigência existe tanto para informar sobre o desenvolvimento e a implementação da estratégia de REDD + utilizada quanto para cumprir com as políticas da agência multilateral responsável. Contudo, embora exista essa exigência, não há orientações metodológicas nacionalmente apropriadas sobre como realizar essas avaliações. Isso é do interesse de todos nós que estamos envolvidos em desenhar e implementar o esquema de REDD e eu acredito piamente que é algo que está sendo buscado por muitos países como parte do processo de preparação da REDD.

Estado – Uma das sugestões que vocês fazem no artigo é que o esquema de comercialização dos créditos provenientes de projetos de REDD poderia se utilizar de um sistema de pagamento descendente para cada unidade adicional de terra, na tentativa de diminuir o benefício à medida em que o tamanho da propriedade aumenta. Isso não afastaria os grandes proprietários? Qual a vantagem de proteger mais para ganhar menos?

Mohammed – Bem, há uma relação que pode não ser verdade para todas as partes do mundo, mas que é aplicável a muitos países em desenvolvimento: o fato da produtividade ser inversamente proporcional ao tamanho da terra. Isso significa que, quanto maior a propriedade, menos produtiva ela é. Por outro lado, grandes proprietários de terras poderiam se beneficiar da economia de escala que pode reduzir significativamente os custos de transação envolvidos em sua participação no esquema de REDD. Neste caso, os pequenos proprietários podem ter de arcar com custos de transação relativamente altos e, como resultado, podem não achar o esquema atraente. Assim, seria muito provável que grandes proprietários de terras fossem incentivados a participar do esquema, enquanto pequenos ficariam de fora. Neste caso, uma discriminação positiva sistemática em favor dos pequenos proprietários é necessária. O pagamento descendente pra cada unidade adicional de terra é um dos “approaches” que podem ser usados para tornar o esquema “pró-pobres”. As vantagens de tal estratégia são: a distribuição dos custos de transação entre grandes e pequenos produtores e o incentivo aos pequenos produtores para que tomem parte no esquema e se beneficiem dele. Isso não quer dizer que os grandes proporetários não vão participar do esquema. Mas sim que seus benefícios marginais (irrealisticamente altos) serão reduzidos para um nível em que eles ainda possam perceber sua participação no esquema como modestamente rentável. Portanto, a taxa de pagamento em declínio deve ser cuidadosamente estimada.

EcoDebate, 25/07/2011
[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde
que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Viagem de ecoturismo e educação ambiental na Ilha do Cardoso,litoral paulista

De Cananéia, no extremo sul do litoral paulista, saem as escunas para o Parque Estadual da Ilha do Cardoso. Os estudantes da Escola Guedes de Azevedo, de Bauru, no interior do estado, vão conhecer a região que tem a maior porção contínua de Mata Atlântica do país.

Entrevista com Rodrigo Aguiar/assistente técnico de visitação do Parque:

" Ela compreende desde Iguape até Paranaguá, no estado do Paraná. É formada por canais, lagoas, o próprio mar, muitos rios que descem a serra e as encostas e formam um ambiente propício para a reprodução de espécies marinhas. Então,as espécies vem para essa região para se reproduzir, ensinar os peixes filhotes a se alimentarem e quando adultos eles retornam para o mar. Isso faz com que seja uma das regiões mais importantes não só a nível de Brasil mas do Atlântico Sul".

De um lado, a Ilha Comprida, do outro a de Cananéia. Estes cercos artesanais de pesca são a "geladeira do caiçara". As comunidades não tem luz elétrica e mantém os peixes no cercado para garantir o frescor. Os pescadores atraem o habitante mais esperado pela garotada: o Boto Cinza ou Tucuxi, conhecido como Golfinho.

Passando a barra que dá acesso ao mar aberto vemos a Ilha do Cardoso. É o sobrenome dos primeiros habitantes, vindos de Portugal. Depois da criação do parque, em 1962, virou lei: só os moradores tradicionais podem viver aqui. Hoje a ilha tem cerca de 400 habitantes, em seis povoados. Os Sambaquis são amontoados de conchas e outros restos de material orgânico deixados pelos homens da pré história. Em meio a tanta beleza as três horas para chegar ao núcleo Marujá voam.

A Ilha do Cardoso é muito procurada por estudantes porque 90% da área dela está coberta por vegetação nativa em ótimo estado de conservação. Uma das preocupações dos monitores ambientais que acompanham esses estudantes é mostrar que a Mata Atlântica, dos biomas mais ameaçados de extinçãoe mais ricos em biodiversidade do mundo, não é composto só dessas árvores altas que cobrem as encostas. Existem outros ecossistemas com características bem distinta.

São 2 quilômetros até o Costão Rochoso. Tem muita vida nestas rochas.

Entrevista com Nany de Jesus/monitora ambiental:

" Aqui na parte baixa da rocha, na parte inferior, a gente encontra algas, algas marinhas. Aqui na parte inferior tem uma faixa de ostras e um pouco mais acima a gente vai encontrar o mexilão e as cracas. Tanto a ostra quanto o mexilhão são filtradores. A maré invade essa área a cada seis horas, cobrindo essa rocha. E aí os animais vão filtrar para poder tirar o alimento deles".

Na Restinga, o solo arenoso não deixa as árvores crescerem muito. As pequenas flores são lindas e há riqueza em plantas medicinais. Esta é a Erva Baleeira, antiinflamatória que virou pomada para tratar contusões. A Orelha de Gato é coagulante e cicatrizante. Uma passagem pela Mata de Restinga, entre os Araçás e chegamos ao Manguezal, onde os estudantes sentem o que é andar no terreno lodoso.

Editora-Chefe:Vera Diegoli. Reportagem:Cláudia Tavares. Reedição:Mariene Pádua.

A Reserva Serra do Tombador protege um dos únicos trechos intocados de Cerrado

A Reserva Serra do Tombador protege um dos únicos trechos intocados de Cerrado

A paisagem é de serra.Montanhas formam grandes chapadas. De vez em quando, a monotonia do relevo se quebra com os vales. Num deles está Cavalcante, cidade que já fez brilhar os olhos dos colonizadores em busca de ouro. Ao norte de Goiás ,quase divisa com o Tocantins, ela fica numa região rica em minério.O caminho trilhado pelos bandeirantes no passado,nos leva hoje, além, das minas de cavalcante, onde está um outro lado precioso do cerrado:a Reserva Natural Serra do Tombador, a noventa quilômetros da cidade.A área, comprada em 2007 pela Fundação o Boticário de Proteção à Natureza com apoio da ong ambientalista TNC, foi reconhecida em 2009 pelo governo federal como RPPN-Reserva Particular do Patrimônio Natural. São quase nove mil campos de futebol numa região ocupada antes por seis propriedades rurais. A trilha da cachoeira começa à sombra e o frescor das árvores da mata ciliar.Passa pelo cerrado rupestre, onde os arbustos nascem entre as pedras.E chega ao rio Consceição.De água cristalina e potável,ele nasce na reserva,corta toda a serra do tombador e ajuda a formar a bacia do Tocantins.A reserva natural Serra do Tombador está numa região que o próprio governo federal já definiu como de extrema prioridade para conservação.Só num primeiro diagnóstico feito aqui, a equipe de biólogos encontrou quatrocentas e trinta espécies de plantas rasteiras, arbustos e árvores e mais de trezentas espécies de animais.A maioria aves, mas tem também anfíbios, répteis e mamíferos de grande porte como o lobo-guará,a anta e a onça pintada.Assim fica fácil entender porque essa área foi transformada em RPPN e o tamanho da responsabilidade dela.

Entrevista com Marcelo Oliveira administrador da reserva :

"Espécies bioindicadores como onça pintada, a anta a lontra, que indica até a qualidade da água, você tem espécies de flora algumas ameaçadas, algumas espécies de aves também como o pato mergulhão."

Para proteger fauna e flora vai ser preciso resolver problemas dentro da área:conter a erosão e controlar a braquiária- capim exótico,que veio da áfrica e era usado nas pastagens das antigas fazendas.E no entorno, as piores pressões: garimpo e principalmente queimadas provocadas. Preparar um plano de manejo,transformar vizinhos em aliados e construir um corredor ecológico, de mais de vinte quilômetros para ligar a plantas e animais da reserva ao Parque Nacional da Chapada dos veadeiros.São estratégias para conservar a área que guarda um tesouro verde.

O mapa da mina é trilhado no lombo das mulas.Só assim se chega num dos pontos mais altos da reserva:umafloresta intacta, no fundo do vale.Uma formação vegetal única em todo o cerrado.

Maysa Guapiassu, analista de Projetos/Fundação O Boticário:

"A sensação que vem é que não existe argumento econômico que justifique você acabar com um patrimônio que é unico, não tem em outro lugar .Quem viu isso aqui não vai ver em outro lugar qualquer desse país"

Informações RPPN- Reserva Natural Serra do Tombador-Estado de Goiás.

site- Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Editora-Chefe:Vera Diegoli. Reportagem:Márcia Bongiovanni. Pauta:Paula Piccin. Imagens:Alexandre Bissoli. Operador de Áudio. Ailton. Edição de Texto: Mariene Pádua. Edição de Imagens: João Kralik.

Energia Nuclear

Washington Novaes, jornalista, é supervisor geral do Repórter Eco.

Está gerando enorme polêmica a notícia de que a Comissão Nacional de Energia Nuclear pode depositar em Abadia de Goiás, a 27 quilômetros de Goiânia e 200 de Brasília, o que ela chama de rejeitos radiativos de média e baixa intensidade das usinas nucleares de Angra 1 e 2.

Os goianos, principalmente, estão revoltados, porque o lugar cogitado é o depósito de mais de 6 mil toneladas de resíduos contaminados por algumas gramas de césio 137 num acidente em 1987. E o césio é quase uma brincadeira se comparado a rejeitos de usinas nucleares. Além disso, temem que para Abadia sejam levados os rejeitos de reatores das usinas Angra 1 e 2, que permanecerão muito perigosos durante séculos. Talvez até mesmo os da usina Angra 3, em implantação, já que a licença do Ibama para ela condicionou tudo à existência de um depósito definitivo para os resíduos - e esse tipo de depósito, definitivo, não foi ainda encontrado em nenhum país.

Mesmo nos Estados Unidos, que já investiram perto de 100 bilhões de dólares na Serra Nevada, num depósito para os rejeitos de mais de 100 usinas, o projeto continua embargado pela Justiça.

Há 10 anos, quando gravava para a TV Cultura a série "Desafio do Lixo", eu mesmo fui à Serra Nevada. E, numa entrevista com um diretor do Departamento de Energia que nos acompanhava, lembrei que os cientistas diziam que não se devia implantar ali um depósito para resíduos nucleares, porque era uma região muito sujeita a abalos sísmicos. Ele confirmou e disse que dois anos antes houvera um desses abalos, de 5 ponto 3 graus na escala Richter - e as obras do depósito nada sofreram. Mas se houver um abalo mais forte - eu perguntei. Quem garantirá? E ele respondeu, com um dedo apontando para o céu: "Ele." Ou seja, Deus.

Na verdade, o Brasil deveria reaproveitar este momento, em que o mundo todo revê seus planos de usinas nucleares, após o desastre em Fukushima, no Japão, para reavaliar os projetos de mais quatro usinas nucleares no nosso território. A Alemanha já decidiu que desativará todas as suas usinas. Outros países caminham na mesma direção. Aqui, também se deve excluir a hipótese de mandar rejeitos para Goiás - inclusive porque a Constituição do Estado proíbe. E a população, até hoje traumatizada com o desastre do césio, não os aceita.

Transporte, Tecnologia e Mudanças Climáticas

 By Maria Fernanda Cavalcanti Julho 11, 2011 0 Comments

Este artigo foi originalmente publicado por Itir Sonuparlak, no, em 07 de julho de 2011.

No Capítulo L do mais recente relatório da UNEP, Paul Barter apresenta automóveis de três rodas como um componente significativo e aceitável de sistema de transportes urbanos em países em desenvolvimento (Foto: Brett Davies)

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), apoiado pelo Risoe Centre, divulgou um relatório sobre as tecnologias que podem ajudar a atenuar as mudanças climáticas no setor de transportes. O relatório, escrito em parceria com a Global Environment Facility, faz parte de uma série de manuais dentro Projeto de Avaliação das Necessidades (TNA, sigla em inglês). O Projeto TNA auxilia determinados países ao redor mundo a escolher suas prioridades de tecnologia, levando em conta a diminuição das emissões de gases de efeito estufa e a adaptação às mudanças climáticas.

Anteriormente, o projeto lançou manuais sobre tecnologias de mitigação para o setor de água e de erosão costeira e enchentes. Eles estão, atualmente, trabalhando em guias similares para os setores de construção e agricultura.

O relatório “Tecnologias para Mitigar as Mudanças Climáticas: Setor de Transportes” é uma tentativa de ajudar os agentes da área no desenvolvimento de serviços de transporte e instalações em seus respectivos países e localidades, e ao mesmo tempo cumprir duas missões importantes: implementar transportes que sirvam melhor às necessidades das pessoas e enriqueçam suas vidas, e reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

O manual reconhece os desafios na implementação de transportes globais e de consciência ambiental: mais barato e acessível, mas também um transporte mais abrangente e com mais qualidade que reduza a poluição, o congestionamento e as mortes no trânsito, ao mesmo tempo que apoia o desenvolvimento econômico e reduz as emissões de gases de efeito estufa. “Isto pode ser alcançado”, diz o relatório, apenas se o transporte coletivo, o deslocamento a pé e o ciclismo tiverem apoio, incentivo e forem atraentes.

O manual pretende ter valor aos leitores por:

- Oferecer dados sobre o uso de energia e emissões de gases de efeito estufa para diferentes modos de transporte em diferentes partes do mundo, e mostrando como calcular o efeito estufa a partir de várias opções de políticas;

- Estabelecer, em detalhes, um conjunto de 15 tecnologias e práticas para melhorar atender às necessidades de transporte das pessoas, reduzindo as emissões de efeito estufa;

- Descrever como essas tecnologias e práticas podem ser implementadas, com atenção ao planejamento, pesquisa local, consulta, políticas, propriedade, capacitação e financiamento (de ambas fontes de financiamento, tradicionais e novas, relacionadas às emissões de carbono)

- Oferecer mais fontes de informação que permitam um acompanhamento detalhado.

Dario Hidalgo, diretor de Pesquisa e Prática da EMBARQ (a produtora deste blog) revisou o manual
junto com Todd Litman do Victoria Transport Policy Institute e Jorge Rogat na UNEP da Risoe Centre. “Isso definitivamente ajuda na compreensão do papel do transporte na mudança climática, mas ainda mais importante, na qualidade de vida global e outras questões socio-ambientais”, disse Hidalgo. “Espero que isto mude a conversa em negociações sobre mudanças climáticas, de apenas tecnologia para abordagens mais holísticas no transporte.”

Hidalgo comentou que o que lhe impressiona mais no relatório é a inclusão das bicicletas na capa da publicação. “O melhor detalhes é ter bicicletas como a tecnologia escolhida para a capa, e depois começar o capítulo de ‘tecnologia” com as ‘vilas de caminhadas’ e a história extraordinária de Curitiba”, disse ele. “Todo documento dá uma boa atenção para ‘evitar’ e ‘substituir’ medidas e políticas, o que é um verdadeiro avanço no cenário de clima e transportes”.

“A parceria do Sustainable Low Carbon Transport (SLoCaT) tem defendido isso; seguindo considerações de especialistas em transporte sustentável e crescimento inteligente”, acrescentou Hidalgo. “Ao que parece, com a publicação desse manual do UNEP Risoe Centre, as vozes são ouvidas em alto e bom som. Estou satisfeito com isso”.

Embora o relatório funcione para cobrir todos os aspectos de mitigação das mudanças climáticas por meio do transporte, ele não consegue tratar das limitações de seus dados. A Base de Dados de Desenvolvimento do Milênio (Millennium Development Database) utilizada no relatório corresponde ao final dos anos 1990, desatualizada frente ao ritmo acelerado e em constante mudança do cenário tecnológico do século 21. “Há várias coisas que o relatório pode melhorar”, disse Hidalgo. “Um dos elementos é atualizar os dados das cidades, que são de 1995. Outra coisa é usar uma boa análise de maneira mais ampla, como nos relatórios do IEA ou dos Estudos do Baixo Crescimento de Carbono do Banco Mundial. Também será útil para ir mais fundo na forma de medir as pegadas de carbono.”, concluiu.

A fim de compreender a contribuição deste manual sobre os campos de transporte e mitigação das mudanças climáticas, falamos com Dario Hidalgo e Todd Littman. Confira as entrevistas a baixo:

Quais foram as maiores lições que vocês tiveram ao revisar a publicação?

TL: O relatório contém informações de boa qualidade sobre muitas estratégias específicas para aumentar a eficiência dos sistemas de transporte e os vários benefícios econômicos, sociais e ambientais que prestam. Muitos esforços para realizar os objetivos ambientais também podem aumentar a produtividade econômica e as oportunidades. Uma lição fundamental é que os aumentos de preços no transporte, geralmente, não são economicamente prejudiciais; cobrar mais para usar estrada, estacionamento e combustível tende a aumentar a eficiência do sistema de transporte e dá força para o desenvolvimento de modos alternativos e mais acessíveis de uso da terra, o que reduz os custos totais de transporte.

DH: O reforço da ideia de que você precisa colocar a sustentabilidade em primeiro lugar, e conseguir a redução de carbono também. Para o público dos países em desenvolvimento, os assuntos mais urgentes são: poluição do ar, mortes no trânsito e congestionamentos; a questão das mudanças climáticas é secundária. Eles sentem que não são parte do problema [de mudança climática], mas são capazes de contribuir para a solução, ao apontar suas necessidades de desenvolvimento social e econômico. Os autores dão destaque às estratégias para abordar questões de desenvolvimento, reduzindo as emissões de GEE. Isto está de acordo com a agenda da “Green Economy” (Economia Verde). O gráfico abaixo é surpreendente e fala por si só:

A maioria das cidades em desenvolvimento está na extrema esquerda e podem escolher para onde querem ir (para as supereficientes Amsterdã e Tóquio, para as equilibradas Frankfurt e Munique, ou para as insustentáveis Houston e Atlanta).

Qual a ideia mais inovadora apresentada na publicação?

TL: A discussão sobre os efeitos de “alavancagem do trânsito”. Sistemas de transporte público de alta qualidade (trem urbano e BRT) são frequentemente criticados com o argumento de que, na melhor das hipóteses, eles carregam apenas uma pequena porção do total de viagens locais. Mas, havendo um catalisador para um desenvolvimento mais compacto e organizado do trânsito, estes sistemas podem fornecer reduções muito maiores nas viagens veiculares. Moradores dessas comunidades tendem a dirigir menos, têm menos veículos próprios, dependem mais dos trajetos a pé, bicicletas e transportes públicos, e se beneficiariam substancialmente. Nosso desafio é comunicar os maiores impactos e benefícios que podem resultar destes projetos.

DH: Eu realmente gostei da abordagem de Paul Barter sobre os táxis motorizados de três rodas como um meio de transporte aceitável e sustentável. “O tráfego (…) seria muito menos congestionado e produziria muito menos poluição e gases de efeito estufa, se houvesse menos carros e auto-rickshaws melhores com tecnologias mais limpas que levassem os passageiros até os ônibus e serviços de trem.” [Você pode obter mais informações sobre os auto-rickshaws aqui, por meio de pesquisas realizadas pela EMBARQ India.] O total oposto da visão dos tomadores de decisão “progressistas” que querem ver os auto-rickshaws fora de suas ruas.

Eu também gostei da análise sobre os veículos elétricos, que leva em conta a precedência de suas fontes. Eles mostram que a eletricidade pode ser tão prejudicial quanto um motor a combustão interna se a fonte for ruim. Veja o gráfico:

Você acha importante mudar a conversa em negociações sobre mudanças climáticas, de tecnologia para abordagens mais “holísticas”? Por quê?

TL: Absolutamente. O planejamento convencional é reducionista: problemas individuais são atribuídos a profissões específicas e agências com responsabilidades estritamente definidas. Isso pode resultar naquelas organizações que implementam soluções racionais que exacerbam outros problemas que a sociedade enfrenta, e tendem a subestimar estratégias que proporcionem benefícios múltiplos, mas mais modestos. Por exemplo, com o planejamento convencional, agências de transporte geralmente implementam estratégias de redução de congestionamento como o alargamento de estradas que, aumentando a dependência do automóvel e a expansão do uso da terra, aumentam o risco total de acidentes, os custos de transporte ao consumidor, o consumo de energia e as emissões de poluentes. Da mesma forma, o planejamento reducionista pode resultar em órgãos ambientais que apoiem estratégias de redução de emissões, tais como mandatos de eficiência de combustível e subsídios a combustíveis alternativos, que ao reduzirem o custo do quilômetro dirigido, aumentam o número total de viagens veiculares e, assim, agrava o congestionamento no trânsito, acidentes e expansão de uso da terra.

Uma abordagem holística significa, por exemplo, que as agências de transporte escolham estratégias de redução de congestionamento que também ajudem a diminuir o consumo de energia, emissões e acidentes, e que melhorem a mobilidade de pessoas que não utilizam o carro; e que agências ambientais escolham estratégias de redução de emissões que também ajudem a reduzir o congestionamento do tráfego e dos estacionamentos, e que poupem o dinheiro dos consumidores.

DH: A tecnologia por si só não vai nos salvar, como eu disse antes,e também é o caminho mais caro para se chegar onde queremos. Em cidades em desenvolvimento, não precisamos ir do extremo do congestionamento, poluição e acidentes da auto-dependência e, então, tentar voltar a um sistema de transportes mais equilibrado. Nós podemos “pular” isso. Se nos concentrarmos apenas em soluções tecnológicas, vamos acabar com o “congestionamento limpo” (o resultado de se importar apenas em melhorar a tecnologia dos veículos, sem dar muita atenção para a redução dos quilômetros percorridos em veículos motorizados individuais, por meio de mudanças políticas). Provavelmente, como a tecnologia evolui, as emissões não serão um problema já que os veículos serão “limpos”, mas mudar apenas o motor e o combustível não tem nada a ver com o congestionamento. Eu escutei o termo “congestionamento limpo” em uma coletiva de imprensa de Felipe Targa, o vice-Ministro de Transportes da Colômbia, no FTS na América Latina. Eu acrescentaria não apenas “congestionamento limpo”, mas “mortes no trânsito de baixo carbono” (baixo impacto de GEE, mas ainda mata pessoas nas ruas). Se tivermos uma abordagem holística, como sugerido pelos editores desta publicação, não só resolvemos o problema global e urgente da mudança climática, mas também temos um mundo mais saudável, habitável e feliz. E isso não é mais caro, como bem documentado por Holger Dalkmann e Ko Sakamoto em “Towards a Green Economy: Pathways to sustainable and poverty eradication.”

O que você acha que deve acontecer para que o setor de transporte sofra uma transformação verdadeira, tendo o meio ambiente e as pessoas em mente?

TL: Devemos fazer um trabalho melhor de comunicação para mostrar aos usuários e à sociedade toda economia e benefícios que resultam de um sistema de transporte mais diversificado e eficiente. Frequentemente as pessoas assumem que os esforços para aumentar a eficiência do sistema de transporte, apesar de serem bons para o meio ambiente, são prejudiciais aos consumidores e às empresas. Isso não é nem um pouco verdade. Muitas das estratégias descritas neste relatório beneficiam consumidores, melhorando suas opções de mobilidade e reduzindo seus custos de transporte em geral; e beneficiam a economia, aumentando a eficiência global e reduzindo custos para governos e empresas.

Impacto climático ameaça futuro do biodiesel na União Europeia

Por clipping
A indústria de biodiesel da Europa, de 13 bilhões de dólares (R$ 20,3 bilhões), pode ser abalada pelos planos da União Europeia de controlar os efeitos colaterais da produção de biocombustíveis, depois que estudos mostraram poucos benefícios climáticos, segundo mostram quatro documentos obtidos pela Reuters.

A União Europeia vem criticando há dois anos a extensão dos danos indiretos provocados ao meio ambiente ao se estabelecer metas de aumento da mistura de biocombustível a 10% para todos os combustíveis até 2020, e está bem próxima de decidir sobre o assunto.

“Os efeitos da mudança no uso da terra fazem quase metade dos ganhos esperados na troca do combustível fóssil para renovável desaparecer”, apontou um dos relatórios obtidos.

“Isso pode ter implicações significativas para a existência da indústria de biodiesel da União Europeia”, acrescentou este relatório. “A viabilidade dos investimentos existentes pode ser afetada no longo prazo, uma vez que a disponibilidade de fornecimento de biodiesel seria extremamente reduzida”. (Fonte: Portal iG)

Climate impact threatens biodiesel future in EU

Europe's biodiesel industry could be wiped out by EU plans to tackle the unwanted side effects of biofuel production, after studies showed few climate benefits, four papers obtained by Reuters show.
Europe's world-leading $13 billion biodiesel industry, which has boomed in the wake of a decision by Brussels policymakers in 2003 to promote it, is now on the verge of being legislated out of existence after the studies revealed biodiesel's indirect impact cancels out most of its benefits.

"This study would pave the way for the demise of the European biodiesel sector," Philippe Tillous-Borde, chief of French oilseed giant Sofiproteol, which owns Europe's largest biodiesel producer, told Reuters.

The EU has been arguing for two years over the extent of indirect damage to the environment caused by it setting a target of increasing biofuel use to 10 percent of all road fuels by 2020, from less than three percent today.

Its own analysis shows the target may lead to an indirect one-off release of around 1,000 megatonnes of carbon dioxide--more than twice the annual emissions of Germany.

The emerging picture that the EU has got its policy wrong has proved unpalatable, and the European Commission has refused a Reuters freedom of information request for the latest studies, arguing the public interest of disclosure is insufficient.

However, those documents have now been leaked.
"This would have significant implications for the existing EU biodiesel industry," said one of the leaked reports seen by Reuters, an impact assessment prepared by the Commission.

"The viability of existing investments could be affected in the long run, as the availability of conventional biodiesel feedstocks would be extremely reduced," it said.

The findings could have a major impact on the direction of investments by major oil companies such as BP and Royal Dutch Shell in low-carbon energy sources, and give a boost to firms involved in the development of next-generation biofuels from non-crop sources, such as Danish enzymes producer Novozymes and Spain's Abengoa.

In a second report, global biofuel experts warned that increased biofuel production driven by the EU's green energy targets will squeeze food supplies and increase global hunger.

"Any decline in consumption can have a severe impact for households that are already malnourished," said the report from a Commission workshop of international biofuel experts last November.

The "ILUC" debate
Biofuels were once seen as a silver bullet for curbing transport emissions, based on a theory that they only emit as much carbon as they absorbed during growth.

But that has been undermined by a new concept known as "indirect land-use change" (ILUC), which scientists are still struggling to accurately quantify.

In essence, it means that if you take a field of grain and switch the crop to biofuel, somebody, somewhere, will go hungry unless those missing tonnes of grain are grown elsewhere.

The crops to make up the shortfall could come from anywhere, and recent research shows the majority of new farmland, possibly as much as 80 percent, is created by cutting down forests.

Burning forests to clear that land can pump climate-warming emissions into the atmosphere, enough in theory to cancel out any of the climate benefits the biofuels were meant to bring.

"The experts unanimously agreed that, even when uncertainties are high, there is strong evidence that the ILUC effect is significant," said the report from the Commission's November workshop.

"The land use change effects make nearly half of the expected gains of shifting from fossil fuels to renewable biofuels disappear," said a third report by the International Food Policy Research Institute for the EU.

"These reports clearly show scientists are convinced that current EU biofuels policy will indirectly cause significant environmental damage...The EU must stop brushing the problem under the carpet."

--Nusa Urbancic, green transport campaign group T&EBiodiesel from Asian palm oil, South American soy beans, and EU rapeseed all had a bigger overall climate impact than conventional diesel, said a fourth leaked document.

"These reports clearly show scientists are convinced that current EU biofuels policy will indirectly cause significant environmental damage," said Nusa Urbancic at green transport campaign group T&E.

"The EU must stop brushing the problem under the carpet."

But many in the biodiesel industry--which accounts for around 80 percent of all biofuels--argue the science is still too uncertain to legislate.

"It would be totally contradictory to act on the basis of results produced by a model that relies on false, poorly researched hypotheses," said Sofiproteol's Tillous-Borde.

Yet, scientists are starting to agree on a clear sustainability ranking, after four in-depth EU studies in 2010 and three more in 2011, with bioethanol seen as a better option due to higher energy content in the plants used to produce it.

"Ethanol feedstocks have a lower land use change effect than the biodiesel feedstocks. For ethanol, sugar beet has the lowest land use emission coefficients," said the IFPRI report.

The Commission's impact analysis predicts EU demand for biodiesel will collapse if their indirect impacts are taken into account in EU legislation. But at the same time it sees a sharp rise in demand for bioethanol from cereal crops and sugarcane, as well as advanced biodiesel produced from algae.

"Ethanol production capacity would need to be increased significantly to make up for the increased demand," it said.

The report said this shift in demand would be reflected in commodity markets, pushing down vegetable oil prices and to a lesser extent increasing the cost of sugar and grains.

Story Copyright (c) 2011 Reuters Limited. All rights reserved.
Read more:

Fundada nova associação do setor de Biodiesel

Com o objetivo de representar e defender os interesses das usinas produtoras de biodiesel surge uma nova força no setor de biodiesel. O nome foi confirmado e a direção da nova entidade eleita. A associação, que já representa 3,48 bilhões de litros em capacidade produtiva, recebeu o nome de Aprobio – Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil.

A Aprobio, fundada em 17 de junho, já conta com 24 empresas associadas que possuem 30 usinas de biodiesel e representam 56% da capacidade de produção do Brasil. A nova associação será composta exclusivamente por empresas com unidades produtoras de biodiesel e tem como critério de admissão a autorização de operação fornecida pela ANP.

Erasmo Carlos Battistella, presidente da BSBIOS, foi eleito pelos associados da Aprobio o novo presidente da entidade.

- Os números mostram que desde sua fundação a Aprobio é representativa e pautada por empresas que visualizam a necessidade de mudança e melhorias no setor.

Foram eleitos como vice-presidente Adilton Domingos Sachetti, da Cooperbio, e os conselheiros: Marco Antônio Moura de Casto, da Brasil Ecodiesel, Alberto Borges de Souza, da Caramuru, Geraldo Martins, da Fertibom, Rodrigo Guerra, da Bio Óleo, e Alexandre Pereira, da JBS. A gestão tem duração de dois anos.

Além dos cargos já eleitos, a Aprobio está contratando um diretor superintendente que será o responsável pela gestão da entidade.

- Queremos uma gestão profissionalizada, para isso teremos um diretor superintendente sem nenhum vínculo com os associados – esclareceu Battistella.

Será esse diretor o responsável por montar a equipe que irá trabalhar na associação.

Está nos planos da Aprobio realizar um evento de divulgação onde a entidade será formalmente apresentada e os associados eleitos tomarão posse. Esse evento deve ocorrer no início de agosto. A associação terá sede na cidade de São Paulo.

Veja abaixo a lista das empresas que fazem parte do novo grupo:
Bio Óleo
Bio Petro
Brasil EcodieselBSBIOS
Transportadora Caibiense

First ever issuance of Social Carbon credits from South-

First ever issuance of Social Carbon credits from South-East Asia

South Pole Carbon Asset Management Ltd, one of the world’s leading developers of
premium emission reductions, today announces the first ever issuance of carbon credits
developed under the Social Carbon standard in South-east Asia.
Zurich, July 5, 2011, for immediate release After the recent successful issuance of Social Carbon
credits from a small hydro project in the mountains of Yunnan, South China, a first-ever outside the
standard’s origin Brazil, South Pole Carbon follows with yet another project, this time in Indonesia.

In collaboration with a local NGO, a series of long term social activities have been implemented
against the Social Carbon standard at a run-of-river hydro plant on the island of Sumatra. Now, the
first carbon credits certified with both Verified Carbon Standard (VCS) and Social Carbon (SC)
have been issued in the renowned Markit Environmental Registry.

The Sumatran run-of-river hydro poject is generating emission free power in a remote area of
Indonesia, using a huge natural height difference of about 500m to generate sustainable energy,
without the need for a retaining dam. Says Renat Heuberger, South Pole’s CEO who set up the
company’s Indonesian presence five years ago: "This hydropower project is a fantastic example of
how to get the most out of Indonesia’s rich renewable energy resources. No dams, no flooding of
land, no resettlement – and yet as much as 80 megawatts of clean electricity are installed, creating
additional jobs and income for the local population."

With Indonesia’s economy and population growing, the demand for power is on a steady rise,
putting global climate and local environment at risk if satisfied in a business-as-usual manner. In
this situation, carbon revenues are an important driver of investments into renewable energy in a
country still dependent on fossil fuels, despite its rich but mostly unleashed natural sources of
energy, such as geothermal and hydro power. South Pole has powered several emission reduction
projects in the renewable energy sector in the country which are managed from its Jakarta office.

Today, in a grown up carbon market, companies buying carbon offsets to balance their footprint
are more and more demanding, looking for more than just emission reductions. They are aware of
the importance of sustainable development in the affected regions and are willing to pay a
premium for projects with a record of social and environmental benefits. This is where the Brazil
based Social Carbon standard comes into play, providing project developers and buyers with clear
guidelines on supporting local communities on a long term basis, with annual third party checks
and reports. At South Pole’s Indonesian hydro plant, the SC programme includes several activities,
e.g. the free medical treatment of locals in the nearby villages of Silalahi and Parbuluhan, remote
villages far from the next city, Medan. In addition, the local tradition of weaving, an important
source of income for women, is supported by regular donations of threat and electricity.
The local school in Silalahi has received work and material support during building construction and
electricity and water installations to improve education opportunities for local youth. The multireligious
communities of North-Sumatra have received several donations to enable better
conditions in mosques and churches. By this and other activities, the project supports local
communities in a rural region far from urban centers, thus mitigating migration pressure to the
cities and rising the standard of living. Re-invested in such manner, carbon credits prove to be an
important tool for sustainable development and to ensure a true North-South collaboration.

Renat Heuberger on Social Carbon: “I am proud that once more we are paving the path for the
future carbon markets. Thanks to our great international team we managed to respond to the
market’s needs faster than anybody else, now already delivering Social Carbon credits from a
second of our Asian projects.” And adds: “The Social Carbon clearly proves South Pole’s
sustainable approach and our focus on carbon credits with a knack. With us, carbon buyers not
only receive high quality carbon reductions but also can be sure to support social and
environmental changes to the better in the specific project region.”

While the Social Carbon standard is focused on additional benefits to local communities, the

emission reductions of the project are developed against the renowned VCS, the most common

standard in the voluntary carbon market.

About the project
VCS project database:

Social Carbon report:

South Pole project fact sheet and video:

About South Pole Carbon Asset Management Ltd.
Zurich-based South Pole Carbon Asset Management is one of the world’s leading highquality
carbon offsetting companies. With more than 80 carbon professionals located in nine offices
around the globe, South Pole is as close to its projects as its clients. In over 21 countries, the
company enables the implementation and operation of high-quality projects that reduce
greenhouse gases. South Pole’s unparalleled portfolio comprises projects in the fields of
renewable energy, forestry, energy efficiency, waste management, methane avoidance, and many
other sectors. The company was founded in Zurich, Switzerland, in 2006. Since then, it has shaped
the premium carbon markets. In 2011, South Pole was named Best Project Developer in

Environmental Finance’s Annual Voluntary Carbon Market Survey.
About Social Carbon:
SOCIALCARBON ® is a Standard developed by the Ecologica Institute in Brazil that certifies
voluntary emission reduction projects for their contributions to sustainable development. The
SOCIALCARBON Standard is founded on the principle that transparent assessment and
monitoring of the social and environmental performance of projects can improve their long-term
effectiveness and thus add value to the voluntary emission reductions generated. A key element is
the active participation of local communities. The Standard is applied and independently verified
each year to encourage progress and ensure continual improvements.

Plataformas do Mar do Norte derramam petróleo semanalmente

Documentos agora revelados pelo jornal inglês Guardian desmentem a propaganda das petrolíferas quanto à segurança das plataformas. Nos últimos dois anos houve pelo menos 100 derrames potencialmente letais, mas poucos vieram a público.

6 Julho, 2011 - 11:41

""Temos tido muita sorte em não ter acontecido outro acidente com muitas mortes. Estivemos lá perto em várias alturas. Muito, muito perto", diz o responsável sindical do sector. Foto Tuftronic10000/Flickr Estes documentos revelam a existência dos derrames nas declarações feitas pelas petrolíferas ao Health and Safety Executive, o regulador independente para a segurança do trabalho nas ilhas britânicas. As empresas que operam no Mar do Norte são obrigadas a declarar os acidentes para uma base de dados constituída após o acidente de Julho de 1988 que matou 167 trabalhadores na plataforma Piper Alpha.

As duas plataformas petrolíferas onde se registaram mais derrames pertencem à Shell e à Total. A primeira é responsável pela plataforma Brent Charlie, a funcionar desde 1976, e que é onde ocorreram mais derrames. Apesar da empresa ter parado de tirar petróleo dali em Janeiro, justamente por problemas de segurança, o regulador ameaçou na passada sexta-feira fechar outras actividades em curso na plataforma.

A Shell está particularmente na mira dos que combatem a poluição, até porque a propaganda da empresa diz que a segurança é a preocupação nº 1. Há cinco anos, a justiça afirmou que a empresa podia ter evitado a morte de dois trabalhadores naquela plataforma, se tivesse reparado a tempo uma fuga na conduta. Segundo o Guardian, nessa altura um dos altos responsáveis da Shell confessou ao jornal que os relatórios de manutenção eram falsificados pela empresa e os procedimentos de segurança eram simplesmente ignorados nas suas actividades no Mar do Norte.

Outras empresas no top dos derrames do Mar do Norte são a dinamarquesa Maersk e a canadiana Talisman, com cinco fugas cada. A plataforma Mungo Etap, detida pela BP, foi responsável por quatro derrames.

"Temos tido muita sorte em não ter acontecido outro acidente com muitas mortes. Estivemos lá perto em várias alturas. Muito, muito perto. Nalguns casos é mais sorte que boa gestão. Algumas empresas estão-se lixando", disse ao diário inglês o secretário-geral do sindicato que representa os trabalhadores das plataformas do Mar do Norte. Já o representante da indústria prefere recordar que "as companhias já acordaram no ano passado redobrar esforços para reduzir o número de derrames a metade em três anos, e muitas delas estão a incluir esse objectivo nos seus planos de negócios".

O Imperativo Categórico de Kant e sua importância para uma Ética Ambiental

artigo de Haide Maria Hupffer e Roberto Naime

Publicado em julho 7, 2011 por HC

[EcoDebate] O maior desafio do ser humano no século XXI é internalizar o princípio da equidade intergeracional, ou seja, confiar o meio ambiente para as presentes e futuras gerações em condições semelhantes ou melhores do que as recebeu de seus antepassados. O impacto do simples fato gerado pela existência já é um desafio para a sustentabilidade global.

Nesta fase da reflexão é preciso resgatar filósofos clássicos na fundamentação dos princípios fundamentais do direito. Immanuel Kant com sua magnífica obra Fundamentação da Metafísica dos Costumes, fundamenta o princípio supremo da moralidade partindo do conceito de boa vontade. Para que a ação possa ser considerada boa ela deve ser motivada pela boa vontade. Para Kant, a vontade é a fonte absoluta do ato moral. Ela é o momento mais interior e central alcançada por sua filosofia.

Francis Bacon, filósofo e político da Inglaterra, estabeleceu um princípio fundamental para os naturalistas atuais: “a natureza para ser comandada precisa ser obedecida”. Esta assertiva singela denota que para podermos viver temos que nos submeter às características naturais dos meios físico e biológico e em compatibilidade com estes caracteres construir nossa civilização.

Para construir este mundo civilizado em conformidade com os ditames naturais, o fundamento da boa vontade em Kant está na primeira fórmula do seu imperativo categórico: “age de maneira que a máxima de tua ação possa converter-se em lei universal da natureza”. Com isso o filósofo quer dizer que não é necessária grande perspicácia para saber que meu agir é moralmente bom. A pergunta fundamental que ele instiga o ser humano a fazer é: “podes querer que também tua máxima se converta em lei universal?”. Se a resposta a esta questão não for positiva, a máxima deve ser rejeitada pelo fato de a mesma não poder ser admitida como princípio de uma possível legislação universal.

Esta legislação universal nada mais é do que as características do que atualmente se denomina meio ambiente em todas as suas dimensões e no qual se constrói a civilização humana.

O que é viver com consciência ambiental para que essa máxima de Kant possa ser convertida em lei universal? Uma definição nada fácil. Para Kant é no íntimo do nosso ser, na nossa essência, que está a resposta. O ser humano pode sentir a condição de uma vontade boa em si. Os efeitos desse senso de dever para com as futuras gerações só são eficazes se forem determinados por um profundo sentimento de respeito pela dignidade da pessoa humana. Ou seja, enquanto a motivação para preservar o meio ambiente foi decorrente de incentivos externos e modismos, dificilmente a humanidade avançará responsavelmente em sua relação com a natureza. Por isso, Kant com seu imperativo categórico estabelece a necessidade de um nexo entre o ato livre e a universalização do mesmo.

A motivação de viver em conformidade com a natureza tem que ser interna. Se ela é movida pela consciência ou por interesses econômicos, pouco importa. A natureza e as futuras gerações agradecem pela preservação ambiental que permita vida digna entre as gerações.

Nas últimas décadas somos expostos à campanhas de conscientização sobre separação do lixo doméstico, por exemplo. Hoje um número considerável de pessoas tem consciência ambiental e busca minimizar o impacto do seu resíduos sólidos domésticos, praticando a segregação e com isto favorecendo a economia ambiental pela reutilização da matéria prima e também a inclusão social pela geração de ocupação e renda para as parcelas menos favorecidas da população

Ao internalizar o dizer de Kant, para a consciência, estamos sendo movidos pela boa vontade, pelo senso de dignidade com o nosso próximo que irá manusear o lixo para aferir o mínimo indispensável de sustento. O que nos move é o sentimento de que essa ação é objetivamente necessária em si para preservar as gerações futuras. Porque nós não vamos estar auferindo rendas ou nos beneficiando da ação. Mas não é mais possível argumentar que eu não tenho que me preocupar com resíduos ou água porque ser houver problemas será dos outros, ou das futuras gerações.

Neste momento fica cristalizada a intergeracionalidade do direito ambiental e de boa parte de toda a questão de fazer a justiça. O que nos move é a essencialidade da ação no ânimo que se nutre por ela, seja qual for o êxito.

Por isso, a complexidade da crise ambiental contemporânea impõe o retorno a ética preconizada por Kant. Fazer o bem, não por inclinação, mas sim governar-se livremente com a consciência do dever, ou seja, conservar o meio ambiente conforme o dever. Mas não apenas por dever normativo. Mais do que isso, agir eticamente não está na ação exterior que se vê, mas, sim, nos princípios internos que moveram essa ação e que não podem ser vistos.

Desta forma, a efetiva liberdade de cada um no agir com dever se realiza no interesse coletivo, visto como um processo final de uma ação calcada em critérios morais, na cooperação, na reciprocidade e no desenvolvimento da noção de responsabilidade e compromisso para com as gerações presentes e futuras.

O que interessa na presente discussão é mostrar a profundidade que a filosofia moral alcança em pleno século XXI. Com Kant o outro passa a ter uma finalidade moral. Ao percebermos o outro como um ser que tem iguais direitos e tem uma finalidade em si, admitimos que o outro é o motivo moral para o dever-ser, e aí ocorre o que Kant preconiza com sendo o “princípio da moralidade superior”, alicerçado na dignidade e na solidariedade.

Portanto, internalizar a ética kantiana possibilita que cada ser humano tome a si a responsabilidade pela qualidade ambiental. Não são as leis positivas ambientais que cuidarão do nosso planeta. Elas são necessárias sim, mas se o ser humano não for governado pela autonomia, dever, liberdade e auto-convencimento em suas ações em prol do meio ambiente a história continuará a degradar o meio ambiente.

E os princípios constitucionais ambientais serão apenas maravilhosos na concepção e de difícil implementação, se faltar a motivação interior para a ação. Uma mudança neste quadro parece que somente será possível com um outro quadro de educação geral e ambiental que possa trazer a subjetividade construída para fundamentar a concretização da ação.

Dra. Haide Maria Hupffer é Doutora em Direito. Integrante do corpo docente do Mestrado em Qualidade Ambiental e do Curso de Direito da Universidade Feevale. Autora do Livro: Ensino Jurídico: Um novo caminho a partir da Hermenêutica

Dr. Roberto Naime, colunista do EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Pesquisa comprova fraude na exportação de barbatanas de tubarão no Pará

Da Redação - 06/07/11 - 21:39

O Ibama em parceria com a Universidade Estadual Paulista (Unesp-Botucatu) comprovou cientificamente as fraudes praticadas por uma empresa na exportação de barbatanas de tubarão no Pará. Das 152 amostras de barbatanas já analisadas pelos pesquisadores, 31% não correspondiam à espécie declarada, o que configura crime ambiental. “O índice é muito alto, pois a legislação exige 100% de precisão para não por em risco espécies ameaçadas”, explica o chefe da Divisão de Fauna do Ibama no estado, Leandro Aranha.

Sediada em Belém, a empresa alvo da pesquisa teve 3,3 toneladas de barbatanas de tubarão apreendidas em maio de 2010 pelo Ibama. A maioria das apreensões feitas pelo instituto no Pará ocorre por falta de comprovação que a carcaça do animal foi vendida, o que demonstra a prática do finning (quando o pescador retira as barbatanas e descarta o tubarão mutilado no mar, o que provoca sua morte lentamente).

Nas fiscalizações, os técnicos do Ibama ainda suspeitaram dos registros nos mapas de bordo da empresa, que registravam a pesca de uma única espécie: o tubarão azul, o mais abundante na costa brasileira. “Mas já sabíamos que a pesca indiscriminada, sem atentar para espécies ameaçadas, era um grande problema no setor”, conta Aranha. Em novembro de 2010, veterinários do instituto e pesquisadores do Laboratório de Biologia e Genética de Peixes da Unesp, do campus Botucatu, recolheram 350 amostras das barbatanas apreendidas e submeteram o material a exames de DNA.

O objetivo era identificar por técnicas de biologia molecular as espécies coletadas e confrontar o dado com o registrado nos mapas de bordo. A pesquisa ainda está em andamento, mas das 152 amostras analisadas até agora 31% não conferiram. Além do tubarão azul, a pesca de mais duas outras espécies costeiras já está geneticamente comprovada.

“O resultado da pesquisa demonstra que o setor compra e vende barbatanas de tubarão, independentemente se a espécie foi pescada por meio da prática criminosa do finning ou não”, explica Aranha, acrescentando que o experimento vai fortalecer os processos administrativos que a empresa responde junto ao Ibama, além dos movidos pelo judiciário no campo civil e criminal.

O destino principal das barbatanas de tubarão capturadas nas regiões Norte e Nordeste do Brasil é o mercado asiático. Entre 70 e 100 milhões de tubarões são abatidos anualmente no mundo, segundo estimativas de pesquisadores do setor. Cobiçada pela indústria cosmética e alimentícia, a barbatana de tubarão é utilizada na China para fazer a sopa de barbatana de tubarão, símbolo de status e considerada afrodisíaca pelos chineses. “É um uso fútil e desnecessário de um recurso animal importante para todo o meio ambiente marinho”, lamenta Aranha. Com informações do Ibama

O desafio de lidar com as áreas contaminadas

Da Redação - 05/07/11 - 23:27

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) preocupada com o problema das áreas contaminadas, atuais e futuras, editou uma publicação intitulada “Informações básicas sobre áreas contaminadas”, que tem o objetivo de disponibili­zar para gerentes, técnicos, e demais interessados, uma ferramenta de informações relativas ao tema áreas conta­minadas, visando o gerenciamento das áreas existentes e a prevenção de novos passivos ambientais.

De acordo com a publicação, a contaminação de uma área ocasiona sérias consequências ao meio ambiente e à saúde das pessoas expostas aos contaminantes, com prejuízos à imagem da atividade e penalidades previstas em lei.

Assim, em razão desse fato, a investigação dessa contaminação é utilizada em avaliações para negociações de empresas, principalmente naqueles relacionados com a aquisição de imóveis e em privatizações, pois a responsabilidade e a obrigação da restauração ambiental recaem sobre os novos proprietários.

A existência de contaminação na área a ser adquirida funciona como um elemento de decisão no sentido de identificar, avaliar e quantificar posições, custos e gastos ambientais potenciais que precisam ser atendidos a curto, médio e longo prazo. Deve ser ressaltado, porém, que o passivo ambiental resultante da área contaminada não precisa estar diretamente vinculado aos balanços patrimoniais, podendo fazer parte de um relatório específico.

Existem diversas técnicas de remediação para uma área contaminada, porém a melhor escolha dependerá do diagnóstico da contaminação, efetuado pela execução de uma malha de sondagens mecânicas e coleta de amostras para análise geoquímica ou por métodos geofísicos do solo ou da água, que permite determinar o tipo de contaminante (líquido, sólido ou gasoso), o tipo de solo, a interação do contaminante com o solo, o grau de contaminação, sua significância, etc.

Determinada que a área está contaminada, os custos variam de acordo com as informações obtidas, mas podem ser extremamente elevados.

Na Alemanha, os custos ecológicos relacionados a problemas do solo foram calculados em cerca de US$ 50 bilhões. Em 12 países da União Europeia, foram identificadas cerca de 300 mil áreas contaminadas. Estima-se que na Holanda existam cerca de 100 mil locais com contaminação.

Contaminação em São Paulo
O Estado de São Paulo possui 3.675 áreas contaminadas, de acordo com o último levantamento da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) em 2010. Essas áreas são assim distribuídas:

79% Posto de combustível (2.922)
13% Indústria (471)
4% Comercial (147)
3% Resíduo (96)
1% Acidentes/ Fonte desconhecida (25)

Situação das áreas contaminadas cadastradas (todas as atividades)
46% Contaminada (1.674)
30% Contaminada sob investigação (1.096)
20% Em processo de monitoramento para reabilitação (742)
4% Reabilitada (163)

Para ver a publicação acesse aqui.
Texto extraído da publicação “Informações básicas sobre áreas contaminadas”, da Fiesp.

Aliado de Marina diz que novo partido ainda não está nos planos do grupo

São Paulo
Aliado da ex-senadora Marina Silva, o ex-presidente do diretório estadual do PV paulista, Maurício Brusadin, disse ao DCI que o objetivo final do grupo que acompanhará a ex-presidenciável fora da legenda não é a fundação de um novo partido político. Marina e aliados farão um ato político em São Paulo na próxima quinta-feira, às 14h, para marcar a desfiliação e anunciar o que chamam "de uma nova forma de diálogo com a sociedade" no chamado "Encontro pela nova Política". - "Mais importante que a saída [do PV], nós vamos buscar um novo processo de diálogo com a sociedade. Os partidos políticos se divorciaram dela e queremos reforçar esse laço não necessariamente fundando um partido novo. Vamos dar início a um movimento político e avaliar seus resultados adiante. Há companheiros que vão permanecer lutando no PV e há outros que terão liberdade para buscar seu espaço", afirma.

Lideranças históricas, como o deputado federal Alfredo Sirkis (RJ) - que também é vice-presidente nacional do partido e deve renunciar ao posto - e Fernando Gabeira, que têm pretensões eleitorais nas eleições municipais do próximo ano, deverão permanecer no PV. O primeiro, para não ter o mandato requisitado pela legenda, e o segundo porque precisa dela para alavancar seu plano de candidatar-se à Prefeitura do Rio de Janeiro. A dupla, no entanto, vai participar do ato desta quinta.

Ex-presidente do diretório paulista, Maurício Brusadin reuniu-se com Marina na última semana em São Paulo e confirmou: "Não apenas o PMDB, mas todos os partidos procuraram a senadora e só o Penna não quer a Marina", criticou, fazendo referência ao presidente nacional da sigla, o deputado federal José Luiz Penna, que está há 12 anos à frente da legenda.

Sobre o dirigente maior do PV, Brusadin reclamou que Penna resistiu às investidas para democratizar o partido. "Tanto é verdade que ele não cedeu que nos últimos nove meses houve apenas uma reunião da Executiva Nacional. Justamente aquela que prorrogou o mandato dele", disparou.

Marina e Brusadin serão acompanhados por nomes como Fábio Feldmann, que já oficializou sua saída, o ex-candidato ao Senado pelo PV paulista, Ricardo Young, e o ex-candidato a vice na chapa verde à Presidência, o empresário Guilherme Leal. Também participará o ex-secretário do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco, entre outras lideranças.

Sequestro de carbono em ecossistemas florestais

Silvia Lac, MSc.
Texto atualizado da tese de mestrado da autora, defendida em 2002, com uma proposta de modelo quantificação de sequestro de carbono em sistemas agroflorestais, pela University of Saskatchewan, Canadá.

Curitiba, 18 de junho, 2011.

1. Introdução
O ciclo do carbono em ecossistemas é internacionalmente reconhecido como um forte indicador ambiental e utilizado para inferir sobre a saúde de ecossistemas, i.e., de acordo com a quantidade de carbono ciclada é possível inferir sobre nutrientes disponíveis para o sustento de vida vegetal e animal (habitat) do ecossistema. O carbono sequestrado por florestas tem sido considerado fator de grande importância para mitigar efeitos negativos do acúmulo de gases de efeito estufa (principalmente o gás carbônico) sobre o clima, notadamente o aquecimento do planeta (IPCC, 2011).

Atualmente há diversas mudanças no uso da terra no Brasil, seja via expansão das fronteiras agrícola e agropecuária, novas estradas com novos desenvolvimentos como centrais hidrelétricas e indústrias. Portanto, além de aumentar a pressão nos respectivos biomas (e.g., cerrado, amazônia), causam um aumento nas concentrações de gases de efeito estufa no planeta e quecimento global via desmatamentos. Poucos graus no aumento da superfície da terra pode ter danos irreversíveis para os biomas (IPCC, 2011).

Sabe-se mundialmente que há uma grande perda (de aproximadamente 30%) no sequestro de carbono devido a conversão de ecossistemas florestais para a agricultura; porém, a quantidade de emissões associadas a conversão do uso de terras para pastagem é menos conhecida (e.g., Lal et al., 1997; Watson et al., 2000; Lac, 2002; IPCC, 2003; IPCC, 2011).

Atualmente, as “regras” utilizadas na quantificação de sequestro de carbono em ecossistemas florestais tem origem nas definições relacionadas com o Protocolo de Quioto (UNFCCC, 2001), e incluem três componentes para a contagem de sequestro de carbono em ecossistemas florestais: acima do solo, abaixo do solo, e em produtos florestais. Porém, há indefinições quanto aos métodos utilizados para os produtos, especialmente sobre “onde” seu sequestro/emissões devem ser contabilizados (e.g., ecossistema, país de origem, país consumidor, etc). Estes, por sua vez, estão também conectados aos programas/projetos desenvolvidos colaborativamente para os países em desenvolvimento, tais como o MDL- Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e, mais recentemente, o REDD- Redução das Emissões do Desmatamento e Degradação florestal (IPCC, 2011).

2. Contexto histórico mundial
Em 1988, “mudança climática” foi identificada pela “United Nations General Assembly” (UNEP) como “problema de importância para a humanidade”. No mesmo ano, o “World Meteorological Organization” (WMO) e o “United Nations Environmental Programme”(UNEP) estabeleceram o “Intergovenmental Pannel on Climate Change” (IPCC) com o objetivo de prover informações científicas, técnicas e socioeceonômicas relevantes para a compreensão do risco de mudanças climáticas induzidas pela influência humana (IPCC, 2010).

O IPCC (1995) concluiu que atividades humanas, principalmente a queima de combustíveis fósseis e desmatamento, aumentaram a concentração de gases de “efeito estufa” (principalmende dióxido de carbono) e aerosóis na atmosfera. Os gases de “efeito estufa” alteram o balanço energético por prender a radiação solar na terra e a impedirem de retornar prontamente à atmosfera, causando assim o aumento na temperatura da Terra; por analogia com efeito de aquecimento em uma estufa de plantas, surgiu o termo “efeito estufa” (IPCC, 2010; Starke, 2001). Cientistas então previram que o aumento desses gases causaria mudanças regionais e globais em parâmetros climáticos, tais como temperatura, capacidade de solos em armazenamento de água, e nível do mar (IPCC, 1995; IPCC, 2010).

Em 1992, encontros do “United Nations Conference on Environment and Development”, no Rio de Janeiro, resultaram na abertura do “United Nations Framework Convention on Climate Change” (UNFCCC) para os países assinarem. Em 1994, o UNFCCC foi efetivado com o objetivo de desenvolver um acordo internacional para estabilizar as concentrações de gases de “efeito estufa” na atmosfera, evitar a influência antropogênica no sistema climático e permitir que os ecossistemas se adaptassem naturalmente à mudança climática. Dessa forma, estaria se garantindo que a produção de alimentos não estaria em risco e que o desenvolvimento econômico pudesse prosseguir de maneira sustentável (Benedickson, 1997; IPCC, 2010, Lac, 2002). Países desenvolvidos, como definidos no documento da UNFCCC, entraram em acordo para adotar políticas nacionais e tomar medidas para mitigação da mudança climática, através da redução de emissões antropogênicas e através do aumento de sequestro de gases de “efeito estufa”.

Em 1997, a maiores nações industrializadas encontraram-se em Quioto, Japão, para a terceira conferência dos países membros partes do UNFCCC (COP-3), e concordaram em taxas individuais de redução de emissões (em média de 5% abaixo de níveis de emissões em 1990) para o primeiro período do Protocolo de Quioto- de 2008 a 2012 (Watson et al., 2000; IPCC, 2010).

Em 2005, o Protocolo de Quioto finalmente entrou em efeito com a participação de países responsáveis por mais de 50% das emissões globais, incluindo quantificações específicas de reduções de emissões por país. Para auxílio a países desenvolvidos atingirem suas metas, foram criados três mecanismos de mercado: “Emissions Trading”, “Clean Development Mechanism” (CDM), e “Joint Implementation” (JI) (IPCC, 2010). O CDM ou “Mecanismo de Desenvolvimento Limpo” já registrou mais de 1000 projetos junto ao “CDM Executive Board” (IPCC, 2010).

Com a criação desses mecanismos, iniciou-se a implementação de comércios voluntários de créditos (e.g., “Chicago Climate Exchange”-CCX, “Voluntary Carbon Standard”-VCS) e sistemas de “cap-and-trade”, isto é, legislação que torna obrigatório às empresas relatarem emissões anuais e que estabelece um valor máximo de emissões (“cap”) acima dos quais a empresa é penalizada com multa que excede várias vezes o valor de créditos comercializados em sistemas voluntários (e.g., “Western Climate Initiative”- que inclui estados dos Estados Unidos e Canadá). Com a criação de inúmeros comércios voluntários e compulsórios, aumentou-se a necessidade de padronização de métodos utilizados, i.e., aplicação de número serial para projetos; evitando assim que créditos fossem comercializados para mais de um comprador ao mesmo tempo e garantindo um padrão de qualidade para os créditos comercializados. Inicialmente, registros foram criados em nível nacional (e.g., Brasil, Estados Unidos, Canada, etc) juntamente ao governo de cada país. Atualmente, multiplicam-se as agências nacionais e privadas oferecendo o serviço de padronização de créditos a ser comercializados. Multiplicam-se também projetos de reflorestamento para a venda de créditos de carbono.

Para o fim de 2012, final do primeiro termo do Protocolo de Quioto (UNFCCC, 1998), novas metas deverão ser incluídas, tais como a inclusão de países não desenvolvidos como o Brasil e a China para elaboração de métodos de contagem nacionais. É também esperado que métodos de contagem e padronização sejam continuamente refinados para acordos como o Protocolo de Quioto como resultado da incorporação de informações geradas nos mais recentes relatórios de grupos técnicos que servem ao IPCC (“Assessment Reports”) e reúne trabalhos de pesquisadores de diversos países.

3. O ciclo do carbono
O ciclo global do Carbono representa o mais importante processo que liga ecossistemas florestais ao aquecimento global, podendo ser definido como a troca de carbono entre atmosfera, oceanos, biosfera terrestre e, em tempos geológicos, com sedimentos e rochas sedimentares (Canadian Forest Service, 1996). Análises de ecossistemas terrestres permitem que cada uso da terra seja distinguido e avaliado individualmente, tais como agricultura, florestas tropicais, florestas boreais, etc (Watson et al., 2000).

O ciclo do carbono para ecossistemas florestais tem sido explicado e discutido por vários autores (Lac, 2002; Fisher & Binkley, 1999; Watson et al. 2000; Kurz et al. 1992; McRae et al. 2000; Janzen et al. 1998; Waring & Running, 1998; Baldock & Nelson, 1999). A explicação a seguir é resultado da compilação de estudos dos mesmos.

Quandos as plantas fazem fotossíntese, elas convertem o dióxido de carbono da atmosfera e água em compostos ricos em carbono, utilizando energia solar como fonte de energia. Do dióxido de carbono utilizado, as plantas vão estocar parte do carbono em seus tecidos, e retornar parte do dióxido de carbono para a atmosfera através da respiração.

No momento da colheita (corte comercial da madeira), uma parte do carbono é exportada do sistema na forma de produtos. Do resto de plantas deixadas no campo após a madeira ser retirada, carbono será incorporado e estocado na matéria orgânica do solo através da decomposição, que é feita por microorganismos. A fonte de carbono entrando no solo depende de vários fatores, tais como queda da folhagem, mortalidade da biomassa (árvores e raízes mortas), decomposição, e distúrbios (e.g., fogo, doenças). Através da respiração, microorganismos retornam parte do carbono para a atmosfera na forma de respiração. Quando um ecossistema como um todo está estocando mais carbono da atmosfera do que está devolvendo, o ecossistema está atuando como um reservatório; diz-se então que o sistema está “sequestrando” dióxido de carbono. Quando o ecossistema está perdendo ou emitindo mais carbono do que sequestra, está atuando como fonte de aumento da concentração de gases (gás carbônico) de “efeito estufa” na atmosfera.

Com o passar do tempo, todos os ecossistemas tendem ao equilíbrio. Quando o ecossistema emite ou perde igual quantidade de dióxido de carbono do que retém, então o ganho líquido do ecossistema é zero (perdas = ganhos) e o sistema está em equilíbrio, não sequestra carbono e nem perde/emite. O ganho líquido então é a diferença entre a entrada de carbono via fotossíntese e a quantidade de carbono exportada do sistema via respiração ou no corte (colheita).

Florestas primárias convertidas para outros usos como agricultura, pastagem e urbanização mostram grandes perdas nas quantidades de estoque de carbono no ecossistema, com mudanças nas propriedades e estrutura do solo. A conversão de florestas primárias para a agricultura, por exemplo, causa uma perda de 15 a 30% do carbono em diversos tipos de solo e a maior parte dessa perda ocorre em menos de 20 anos. Outros distúrbios também podem afetar o equilíbrio do estoque de carbono em ecossistemas, durante e eventualmente depois do distúrbio, causando ecossistemas a contribuir dióxido de carbono por muitos anos para a concentração atmosférica e o aquecimento global. Incêndios, por exemplo, transferem carbono da biomassa para o solo e também rápida emissão de carbono para atmosfera como dióxido de carbono. Doenças, dependendo da severidade podem moderadamente reduzir o estoque no ecossistema (pouco ou mediamente severos) ou podem levar a altas perdas (emissões) através da grande mortalidade o decomposição (doenças mais severas e mais frequentes).

Em um prazo maior de tempo, após distúrbios cessarem, a contínua recarga de material a ser decomposto no ecossistema cessa. Quando o material disponível para decomposição é consumido ou lixiviado, pouco material resta para uma grande quantidade de microorganismos para decomposição. Isso causa o carbono orgânico no solo diminuir e os microorganismos a reterem nutrientes. A retensão de nutrientes pode reduzir ainda mais o potencial de sequestro de carbono do ecossistema, primeiramente por limitar o crescimento de plantas e subsequente sequestro na vegetação, e depois por reduzir a quantidade de carbono entrando no solo. E, ainda que distúrbios causem emissões, eles podem também aumentar a capacidade de sequestro de carbono no ecossistema pela reposição de vegetações mais velhas por vegetação mais novas, e colocar o ecossistema em fases anteriores de sucessão.

Atividades florestais que podem promover o aumento de sequestro de carbono incluem: a) evitar atrasos na regeneração após distúrbios através de plantio, b) a restauração de áreas degradadas e áreas de baixo estoque após replantio, c) o uso de espécies geneticamente melhoradas/superiores, d) a fertilização, e) o aumento de proteção a incêndios, d) o desbaste comercial, f) a produção de madeira para produtos de maior duração e, portanto, maior período de duração de sequestro na forma de produtos), g) aumento do período de rotação para árvores atualmente cortadas antes do declínio no sequestro de carbono, h) a substituição de métodos de corte (e.g., método de corte raso por corte seletivo). O destino de árvores e partes de árvores, assim como o tempo de vida em produtos ou outros usos finais (e.g., etanol, produção de energia), desempenham também um papel importante no ciclo do carbono. Se as árvores são abandonadas ao invés de utilizadas em produtos, há poucas chances de que essas árvores morreriam quando estivessem produzindo o maior acúmulo de biomassa e carbono. Árvores morreriam naturalmente mais velhas, quando o acúmulo do carbono já é baixo por vários anos. Daí a necessidade de haver mercado e da utilização comercial para estas, para que haja motivação para o corte de árvores altamente produtivas. Ações que podem aumentar o estoque de carbono na forma de produtos e aumentar o tempo de estoque de carbono antes de retornar à atmosfera incluem: a produção de produtos de vida mais longa (e.g., madeira para móveis ao invés de papel), redução de resíduos no processamento, e a reciclagem de produtos de madeira e de papel.

O ciclo do carbono em ecossistemas é muito utilizado também como indicador ambiental, uma vez que a quantidade de carbono ciclado e estocado é mais prontamente quantificado e está relacionado com outros ciclos e com a disponibilidade de nutrientes para o sustento do ecossistema. Mesmo em um determinado ecossistema, ainda assim, o ciclo de carbono pode ser bastante variável, que é resultado de uma complexa história de interação de todos os ciclos biogeoquímicos.

4. Métodos utilizados para a contagem de carbono
Métodos utilizados para contagem de carbono em ecossistemas terrestres incluem o método de mudança em estoque (“stock change”) e o método de fluxo de carbono (“carbon flux”) (Tipper & De Jong, 1998; Watson et al., 2000; Lac, 2002). O método de mudança em estoque de carbono inclui o carbono estocado em tecidos vegetais e no solo medido em tempos diferentes, e a diferença é a produtividade líquida do ecossistema recebendo valor positivo quando aumenta (sequestro), ou valor negativo quando diminui e é, portanto, perdido para a atmosfera (emissão) (Watson et al., 2000; Waring & Running, 1998). É o método mais utilizado devido ao menor custo, maior praticidade, maior abrangência, e menor influência por variações interanuais (Kostela et al., 2000; Watson et al., 2000; Waring & Running, 1998). De acordo com os mesmos autores, o método de fluxo de carbono consiste na medição de carbono com auxílio de torres de monitoramento, sendo mais preciso, mais caro e, portanto, menos disponível. É normalmente mais utilizado para áreas menores e intervalos de tempo mais curtos devido à grande quantidade de dados possíveis de serem produzidos.

A UNFCCC (2001), como contribuição para o Protocolo de Quioto, definiu a inclusão de três componentes para a contagem de sequestro de carbono em sistemas florestais: acima do solo, abaixo do solo, e em produtos florestais; e exigiu também transparência e verificabilidade dos métodos utilizados.

Inventários florestais são os mais utilizados métodos para a quantificação do carbono estocado (sequestrado) na biomassa acima do solo (confiável, permite verificação, e disponíveis em várias escalas) (Watson et al., 2000). Inventários florestais contínuos normalmente consistem na medição periódica de árvores em parcelas permanentes representativas para decisões de manejo ao qual a produção se destina, i.e., volume comercial utilizado (e.g. papel, celulose, OSB, etc) (Watson et al., 2000, Kurz et al., 1992; Netto & Brena, 1997). Dados adquiridos no campo para inventários florestais normalmente incluem altura e diâmetro à altura do peito (DAP) e estes dados são utilizados como variáveis (“input”) em modelos de crescimento previamente desenvolvidos, i.e., equações/curvas de crescimento desenvolvidos a partir de relações alométricas entre dados mais práticos (DAP, altura) e os dados mais caros (volume, biomassa) de aquisição (Watson et al., 2000; Finger, 1992; Husch et al. 1993). Modelos de crescimento (curvas) normalmente expressam resultados em volume comercial para determinados produtos e, portanto, são utilizados também fatores de expansão (e.g., volume comercial:volume total acima do solo, biomassa comercial:biomassa total acima do solo) e conversão (e.g., volume:biomassa, bimassa:carbono) para estimativas de sequestro de carbono na biomassa acima do solo (Watson et al., 2000; Peterson & Peterson, 1992; Ter-Mikaelian & Korzukhin, 1997; Lemprière & Booth, 1998; Lac, 2002; Kurz et al., 1992; Samson et al., 1999).

Modelos de crescimento (curvas), fatores de expansão e conversão podem ser encontrados em publicações e se aplicam especificamente ao objetivo de produção de onde as amostras são adquiridas (e.g., madeira, papel, OSB), variando também em escalas, espécies, produtividade do solo, ecossistemas, e métodos para aquisição e dados primários (Lac, 2002; Watson et al., 2000; Bonnor, 1985; Netto & Brena, 1997). Para conversão de volume para biomassa, o volume é multiplicado pela densidade da madeira expressa em massa seca (em estufa) e volume úmido (Forest Products Laboratory, 1999; Lac, 2002). Porém, a madeira é um material heterogêneo e anisotópico e pode variar entre sítios, espécies, entre árvores da mesma espécie, e em diferentes partes de uma mesma árvore (Galvão e Jankowsky, 1985; Forest Products Laboratory, 1999). A idade da árvore e compostos químicos da madeira também afetam sua densidade (Burger & Richter, 1991).

No campo, o volume comercial é determinado pelo método de imersão em água da parte da árvore que é comercializada (e.g., tronco) (Finger, 1992; Graça et al. 1998). Outros métodos mais simples incluem a aproximação por matemática com sólidos de revolução e fatores de forma específicos para cada espécie (Finger, 1992). As relações volume/área ou biomassa/área podem ser influenciadas por vários fatores tais como espécie, nutrientes e água disponíveis, qualidade do solo, condições climáticas, origem (e.g., semente versus propagação vegetativa) (Peterson & Peterson, 1992; Forest Products Laboratory, 1999).

Informação & Conhecimento